Política

Adiada mais uma vez votação do projeto que altera lei do agrotóxico

| 16/05/2018 - 17:50

Comissão especial adia votação do projeto que modifica uso de agrotóxico (Foto: Embrapa)

A votação na comissão especial da Câmara dos Deputados do projeto que modifica o sistema de registro, controle e uso de agrotóxicos e insumos agrícolas similares no país e simplifica a autorização para produção e comércio de pesticidas, o que na prática revoga a atual lei de agrotóxicos, foi mais uma vez adiada por obstrução de partidos contrários ao projeto.
A exemplo de outras sessões, a reunião de ontem (16) foi muito tumultuada e marcada pela presença de ativistas de proteção do meio ambiente e representantes dos produtores rurais. Em meio ao debate de mais de três horas entre parlamentares que representam o setor produtivo e os que integram a frente ambientalista, foram trocadas ofensas e xingamentos.
O projeto em discussão muda a denominação de agrotóxicos para “produto fitossanitário” ou “produto de controle ambiental”, e prevê que a legislação não se baseie mais na noção de “perigo” do pesticida, mas que se faça uma avaliação de risco à saúde humana a partir da dosagem de substância tóxica contida no produto. O registro dos agrotóxicos ficaria, assim, vedado somente para produtos que apresentarem risco considerado “inaceitável” para a saúde humana e o meio ambiente.
Outro ponto polêmico do projeto é o que restringe o controle do uso de produtos fitossanitários ao Ministério da Agricultura. Aos órgãos federais de meio ambiente caberiam apenas o registro e fiscalização dos produtos de controle ambiental de florestas e áreas de preservação e não os de uso nas lavouras.
Atualmente, o controle é feito por diferentes órgãos, inclusive a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), responsável por avaliar os níveis de agrotóxicos nos alimentos que chegam ao consumidor e de reavaliar as condições de toxicidade de produtos já registrados.
Os defensores da proposta questionam os dados disponíveis sobre a contaminação dos alimentos por agrotóxicos e reiteraram que a legislação atual está muito defasada. Argumentam ainda que o projeto vai baratear a produção.
Frente
Os integrantes da frente ambientalista alertaram que o Brasil pode perder espaço e credibilidade no mercado internacional se afrouxar o controle dos agrotóxicos. Os oposicionistas também destacaram que diferentes órgãos ambientais, de saúde e do Judiciário, emitiram notas críticas e apontaram problemas de constitucionalidade do projeto.
A Anvisa, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) e o Instituo Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), se manifestaram nos últimos dias de forma crítica ao projeto e de forma contrária à mudança no marco regulatório dos agrotóxicos.
Algumas pessoas contrárias ao projeto querem que seja realizada uma audiência pública para ouvir representantes dos ministérios do Meio Ambiente e da Saúde antes da apreciação final do projeto, mas a comissão rejeitou o requerimento com a solicitação.
Aprovado na comissão especial, o projeto ainda deverá ser apreciado pelo plenário da Câmara.
Fonte: Agência Brasil de Notícias
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Preço da gasolina sobe demais e governo estuda medidas

Bolsonaro sofre derrota no TSE em processo contra pesquisa Datafolha

Partidos terão mais 90 dias para fazer prestação de contas

Adiada mais uma vez votação do projeto que altera lei do agrotóxico

Ministro Beltrame exonera presidente do INSS

Homem que denuncia Richa já foi preso por Moro e é amigo de Cunha

STJ rejeita mais um pedido de liberdade a Lula

Governo encaminha proposta de criação da Secretaria do Trabalho

Avaliação positiva do governo Temer permanece em 4,3%

PSB divulga nota após decisão de Barbosa

Mais Destaques
Expression #1 of SELECT list is not in GROUP BY clause and contains nonaggregated column 'gazetato_site.b.id' which is not functionally dependent on columns in GROUP BY clause; this is incompatible with sql_mode=only_full_group_by