AgroGazeta

Fazendo a lição de casa

| 10/01/2018 - 07:00

Fazendo a lição de casa

Quando o assunto é agricultura, o brasileiro pode estufar o peito e se orgulhar de ter nascido no Brasil, um país produtor de alimentos com alta tecnologia e um dos maiores exportadores do mundo. O mérito de tantas conquistas neste segmento é do homem do campo, que faz muito bem seu trabalho. Porém, fazer a lição de casa bem feita, vai além da produção. Prova disso, são os resultados que o Brasil tem no campo da devolução das embalagens vazias de defensivos agrícolas.
O coordenador Regional do Inpev, Fábio Macul, ressalta que o sistema de devolução de embalagens vazias funciona. “É um sistema que podemos nos orgulhar. Outros países vêm ao Brasil para entender como fazemos essa logística. Lembrando que não é um trabalho feito apenas pelo Inpev. Somos uma parte do sistema, que é composto também pelo agricultor, pela revenda, pela cooperativa, pelo poder público e pelas indústrias. São quatro elos que chamamos de engrenagem, ou seja, se uma delas travar, o sistema trava. Então o agricultor é peça chave nesse momento e eu tenho certeza que o agricultor está consciente e colaborando muito para que esse projeto continue dando grande resultado.”
Fábio Macul salienta também que o Brasil já retirou do campo quase 500 mil toneladas de embalagens vazias que foram destinadas corretamente. “E se não houvesse esse sistema, aonde estariam essas embalagens?! A maioria dessas embalagens de plástico retrabalhamos e processamos e fazemos de novo uma embalagem de agro químico que vai para indústria para ser reenvasada. Podemos realmente nos orgulhar desse sistema.”
Desde 2002, o Decreto Nº 4.074, de 4 de janeiro de 2002, veio regulamentar a Lei dos Agrotóxicos (Lei n° 7.802/1989), determinando a todos os elos da cadeia produtiva em que o defensivo agrícola é utilizado. O produtor rural, então, precisou começar a realizar a tríplice lavagem no momento da aplicação, e como de costume, ele cumpriu seu papel. “O programa vem sendo implementado com muito sucesso. Hoje 94% das embalagens colocadas no mercado em todo o Brasil retorna ao sistema e a grande maioria, em torno de 95% é reciclada”, afirma o coordenador Regional do Inpev, Fábio Macul.
Quando o agricultor adquire um defensivo agrícola, ele está comprando apenas o conteúdo, uma vez que, a embalagem pertence à indústria que o produziu, conforme explica Macul. “É importante também ressaltar que o agricultor ao entregar essa embalagem em nossas unidades, recebe um comprovante de entrega. Este recibo deve ser guardado, pois em caso de fiscalização, o Instituto Ambiental do Paraná (IAP), pode solicitar a qualquer momento o comprovante, e se o agricultor não tiver ele pode sofrer uma multa.”
DESTINO DAS EMBALAGENS
Para a devolução das embalagens vazias de agro químicos, o Inpev disponibiliza em todo o país postos de recebimento por meio de associações. Neste sentido, para facilitar a rotina do cooperados, a Coamo foi pioneira e estruturou em 2002, postos de coleta. “Nas unidades em que é longe o local de entrega das embalagens, a Coamo saiu na frente e construiu locais apropriados para que o associado realize a entrega”, afirma o chefe do departamento de Direito Administrativo e Meio Ambiente da Coamo, Djalma Lucio de Oliveira.
Djalma revela que são 46 postos de coleta nos Estados do Paraná e Santa Catarina, sendo que, no Mato Grosso do Sul e nas regiões de Goioerê e Guarapuava no Paraná, a entrega é realizada em associações. “A coleta realizada nos postos da Coamo é direcionada também para associações. Na região de Campo Mourão, por exemplo, temos a Associação dos Distribuidores de Insumos e Tecnologia Agropecuária (Adita). ”
Waldir José Baccarin, coordenador de operações da Adita, diz que cerca de 48% das embalagens recolhidas são de cooperados da Coamo. “Todas essas embalagens são encaminhadas para cá, separadas e destinadas para a reciclagem ou incineração, conforme a situação que chega. A nossa unidade de Campo Mourão, recebe em torno de 650 toneladas de material por ano e quase metade é destinação da Coamo, ou seja, estamos falando mais de 300 toneladas que chegam dos postos da Coamo ou diretamente do produtor rural.”
Baccarin frisa que é fundamental que o agricultor tenha consciência da importância da tríplice lavagem. “Uma das vertentes de nosso trabalho é a conscientização do papel do produtor rural que tem que fazer a tríplice lavagem no momento da aplicação. Esse é o único momento para fazer isso. Se fizer corretamente a embalagem será reciclada. Esse material compõe parte do custo que a associação tem para funcionar. Mas, quando esse material chega sem a tríplice lavagem e precisa ser enviado à incineração, ele tem um custo aproximado de R$20,00 por quilo. Como 14% de nosso volume chega dessa forma, representa cerca de 100 toneladas a serem incineradas.”
CAMPO CONSCIENTE
O Sítio Estrela Brilhante do cooperado Mario Kovalek, está situado em Roncador (Centro-Oeste do Paraná). O brilho da propriedade não está somente no nome, mas também no trabalho realizado pelo agricultor que faz questão de cumprir com a lei e realizar a tríplice lavagem para a correta devolução das embalagens vazias de defensivos agrícolas. “Quando foi sancionada essa lei, seguimos todas as orientações da Coamo, participamos de palestras e dias de campo que nos orientaram sobre esse trabalho que, desde então, estamos seguindo à risca”, revela.
Mario Kovalek explica que todas as orientações que aprende com a Coamo, repassa aos funcionários da sua propriedade. “Sempre fazemos reuniões com nossa equipe e pedimos que caprichem e façam corretamente a tríplice lavagem. Com um trabalho bem feito se evita de intoxicar um funcionário, o ambiente e, na realidade esse é um dever nosso. Fazemos o máximo para realizar um trabalho bem feito. ”
O cooperado destaca que como o pulverizador já tem o guincho para lavagem, não existe desculpa para não fazer a tríplice lavagem. “Assim que se coloca o agro químico na máquina, fazemos a tríplice lavagem e passamos o facão para perfurá-la e não ser reutilizada em hipótese nenhuma. ”
Galeria de fotos
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Semana começa com previsão de tempestades, com acumulados de até 100 mm, no Sul do Brasil

Excesso de chuvas traz prejuízos à safra de soja no oeste do Paraná

Clássico da Soja em dose dupla terá estreia de Paulo Baier e preliminar com ex-atletas

IAP e Polícia Ambiental desmontam esquema de extração ilegal de palmito

CNA promove debate sobre financiamento para o agronegócio

Frango Vivo: quedas em SP, MG e SC e alta no PR

Blairo Maggi diz que ‘a princípio’ deixará governo em abril

Produtores de soja atrasam comercialização de nova safra

Início da colheita da soja impacta nos preços e prêmios no BR

Prêmio BNDES de Boas Práticas para Sistemas Agrícolas Tradicionais

Mais Destaques
"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)