Economia

Inflação de produtos na saída das fábricas é de 1,47%

| 04/01/2018 - 20:20

Inflação de produtos na saída das fábricas é de 1,47%

O Índice de Preços ao Produtor (IPP) – que mede a variação de preços dos produtos na saída das fábricas – registrou inflação de 1,47% em novembro de 2017. A taxa ficou abaixo do 1,80% de outubro, mas acima do 0,80% de novembro de 2016. O dado foi divulgado ontem (4), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O IPP acumula 3,73% nos 11 primeiros meses de 2017 e 5,07% em 12 meses, de acordo com o IBGE.
Entre as grandes categorias econômicas, os principais responsáveis pela inflação de novembro foram os bens intermediários, ou seja, os insumos industriais para o setor produtivo (1,88%) e os bens de capital, isto é, as máquinas e equipamentos (1,42%).
Os bens de consumo semi e não duráveis tiveram inflação de 0,89% em novembro, enquanto os bens de consumo duráveis foram os que registraram menor taxa no mês (0,13%).
Das 24 atividades industriais pesquisadas, 20 tiveram inflação em seus produtos em novembro, com destaque para os derivados de petróleo e biocombustíveis (5,91%), metalurgia (3,08%), outros químicos (2,63%) e outros transportes (1,80%).
Quatro atividades tiveram deflação (queda de preços), com destaque para as indústrias extrativas (-3,20%) e para a indústria farmacêutica (-0,82%).
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

Febraban estuda ações para reduzir juros do cheque especial

Petrobras aprova revisão de política de preços do GLP residencial

Inflação do aluguel acumula queda de 0,34% em 12 meses

Cai percepção de piora da economia entre comerciantes

Aumenta a oferta de emprego na indústria brasileira, diz CNI

Ibovespa rompe 80 mil pontos pela 1ª vez na história

Confiança do consumidor marca 40,9 pontos em dezembro e fecha 2017 apontando estabilidade

Petrobras e Total avançam em aliança de US$ 1,95 bilhão

Governo enviará ao Congresso projetos para privatizar Eletrobras

Mercado reduz projeção de déficit primário do governo para R$ 153,944 bi

Mais Destaques
"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)