Cidade

Empresários não vão mais tolerar aumento de impostos

| 15/12/2017 - 21:00

Presidentes de associações comerciais do Oeste, líderes de entidades produtivas e empresários participaram na noite de quinta-feira, em Cascavel, de reunião organizada pela Caciopar para debater os impactos do aumento de tributos com a aprovação, pela Assembleia Legislativa, de projeto do governo estadual que altera tabelas do ICMS. O consenso entre os presentes, tirado em uma reunião tensa de quase duas horas, é de que os empresários não vão mais tolerar aumento de impostos que sacrifiquem negócios, gerem desemprego e reduzam o ritmo da atividade econômica.
Com a alteração de tabelas do ICMS, ao contrário do que o governo estadual tem dito, haverá aumento do tributo há 31 mil empresas paranaenses de até 58%. “Diante de um cenário econômico ainda muito ruim, da lentidão de reformas que são urgentes para destravar o País e de tantos escândalos, que mostram os consecutivos abusos de quem está no poder na gestão do dinheiro público, não podemos mais aceitar o aumento de impostos. Queremos sim probidade, eficiência e uma máquina pública enxuta”, afirma o presidente da Caciopar, entidade que congrega 46 associações comerciais do Oeste, Leoveraldo Curtarelli de Oliveira.
Para explicar os efeitos do projeto 557/17 no cotidiano das empresas, a Coordenadoria trouxe a Cascavel o advogado da Faciap (Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná), Paulino Mello Junior. Ele acompanhou os passos que levaram à aprovação, pela maioria dos parlamentares, desde o início e afirma que a descoberta das intenções do governo ocorreu por acaso. Em um projeto com 31 artigos, tratando sobre os mais diversos assuntos, esse estava no de número 30, demonstrando que o governo não queria publicidade para fazer com que as alterações passassem sem alarde e desgaste.
Com o início dos questionamentos começou uma espécie de negociação, por parte do governo, dos índices que deveriam ser aplicados ao teto da tabela. Queriam 25% e aceitariam negociar por 20%, lembra Paulino, afirmando que desde o início a Faciap não concordou com a medida porque ela traria ainda mais dificuldades para as empresas. Algumas federações acabaram aderindo, mas parte delas já considera que erraram ao decidir dessa forma porque, com mais informações e aprofundamento sobre o tema, perceberam que haverá sim aumento da carga tributária. Há o caso até de uma tabela que não estava no projeto e que a Assembleia autorizou o governo a colocá-la em prática por meio de decreto.
O governo estadual, de acordo com Paulino, aproveitou-se de uma situação para elevar a carga tributária das empresas. O governo federal mudou faixas do Simples, de 20 para 6, e era só o Paraná ter se adaptado à nova regra, como fez a União, sem elevar carga. Mas aqui, a opção foi por utilizar esse expediente para arrecadar mais, afirma o advogado da Faciap. “Precisamos desmistificar o que o governo estadual tem dito, inclusive pagando e caro propagandas na televisão, porque haverá sim aumento de impostos a quem emprega, gera desenvolvimento e recolhe tributos”, afirma Paulino. Para as empresas menores (elas somam 10,8 mil), com faturamento de até R$ 456 mil anuais há isenção e não haverá mudanças. Porém, há casos nas faixas mais altas de aumento de até 58%.
O advogado apresentou tabelas e exemplos que mostram as variações que ocorrerão já a partir de 2018 comparativamente ao ICMS pago em 2017.
Diante das informações, líderes do setor produtivo buscam o apoio de deputados para fazer com que o governo estadual retroceda e desista do aumento. “Temos que nos unir pela redução do tamanho da máquina pública, pela diminuição do número de assessores dos parlamentares e por decisões de governo antenadas à realidade e à expectativa nacional”, afirmou o empresário Heroldo Secco Júnior. “Fica até difícil de encontrar palavras para expressar o tamanho da nossa revolta”, falou o contador Cláudio Brunetto.
Segundo a vice-presidente da Caciopar, Sueli Barbieri, que é contabilista, passa a compensar para algumas empresas mudar de regime, sair do Simples e aderir ao Lucro Real para pagar uma carga um pouco mais baixa. O advogado Juliano Murbach entende que chegou a hora de os empresários e as entidades somarem forças e, de força decidida, lutar verdadeiramente pelos legítimos interesses de quem produz e já paga tanto. “Não podemos mais aceitar situações como essa calados, pacificamente. Vamos erguer nossas vozes para defender nossos direitos”, segundo Léo, da Caciopar. O presidente da Acic, Edson José de Vasconcelos, sugeriu que a Coordenadoria realize reunião extraordinária nos próximos dias para deliberar sobre ações mais duras sobre o aumento do ICMS.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Cidade'

Ligue 153: Espaços públicos sofrem vandalismo

Too de Férias: Museu é ponto turístico indispensável para quem quer conhecer a história do município

Representantes do CTG Chama Crioula se reúnem com o prefeito

CMEG define agenda para 2018

Professor paranaense concorre ao “Oscar” da categoria, em Dubai

Prefeitura entrega Centro Comunitário no Jardim Bressan

Governo construirá cinco restaurantes populares no Interior, inclusive mais um em Toledo

Indústrias melhoram performance e ampliam participação no mercado

Sebrae e parlamentares querem derrubar veto ao Refis de micro e pequena empresa

Parque do Povo, uma opção de lazer ao ar livre

Mais Destaques
"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)