Geral

Em vez de remédio contra Aids, fábrica financiada pelo Brasil produzirá analgésico

| 06/12/2017 - 21:20

Em vez de remédio contra Aids, fábrica financiada pelo Brasil produzirá analgésico

Esperava-se que fosse um motivo de orgulho. Mas ali dentro estão as esperanças, vencidas e frustradas, dos dois países. Faz 14 anos que o Brasil apoia a criação dessa fábrica, destinada a produzir antirretrovirais - como são chamados os remédios que combatem o vírus HIV. É o mais longo projeto de cooperação do governo brasileiro na África, e o mais caro, com custo estimado em R$ 40 milhões.
Mas a iniciativa acaba de passar por uma transformação radical. Em vez de antirretrovirais, a fábrica produzirá paracetamol, analgésico comumente usado contra dor de cabeça e cólica. Para isso, contará com apoio técnico da Fiocruz e com um novo repasse de R$ 5 milhões do Ministério da Saúde brasileiro, aprovado no segundo semestre deste ano.
O motivo principal da mudança é que a nevirapina, cuja tecnologia de produção o Brasil transferiu para Moçambique, ficou ultrapassada. Já foi muito importante no combate ao HIV, mas, à medida que o projeto da fábrica de antirretrovirais demorava para sair do papel, foi sendo substituída por outras drogas mais modernas e eficazes. Hoje, é raramente usada nos dois países.
Jorge Mendonça é diretor de Farmanguinhos, unidade da Fiocruz responsável pela parceria com a SMM. Ele não participou da concepção do projeto, mas faz mea culpa.
Mendonça advoga pela importância do Brasil continuar financiando a fábrica: “O que está sendo investido lá não é nenhuma fortuna, é uma pequena contribuição para terminar esse projeto”.
‘É um trabalho com muito mérito’
Hoje, o Brasil não tem tecnologia para produzir os remédios mais modernos usados no tratamento contra a Aids. Por isso, não há como transferir esse conhecimento para Moçambique.
O paracetamol foi, então, a alternativa encontrada para que a fábrica não fechasse, o que desperdiçaria todo o investimento feito até agora pelos dois países.
É um medicamento barato, mas com muita saída. A ideia, então, é que o analgésico dê sustentabilidade econômica para a SMM e permita a ela fabricar outros produtos, como anti-hipertensivos.
O técnico Govene ainda não contou a ninguém sobre a mudança, porque acha que as pessoas não vão gostar da notícia. É o que ocorreu com a médica Cassamo: “Paracetamol? Desculpa, né! Se fosse uma fábrica de antibióticos, de antifúngicos... Mas paracetamol é algo que nós temos. Acho que nunca tivemos falta de paracetamol. Não é questão de saúde pública”.
De ‘revolucionário’ a ‘dor de cabeça’
A ideia brasileira de criar uma fábrica de antirretrovirais na África surgiu, em 2003, da combinação de duas realidades. Primeiro, Moçambique era um dos países mais afetados pelo HIV no mundo - hoje, tem a oitava maior prevalência do vírus. Segundo, o Brasil tinha - e continua a ter - uma política de combate ao vírus que é considerada modelo. O projeto propunha, então, unir necessidade e experiência.
Por um lado, a proposta foi vista como uma ideia revolucionária. Por outro, foi encarada pelo Itamaraty como uma enorme dor de cabeça. Se desse errado, poderia manchar a imagem que o Brasil queria construir, de parceiro solidário da África.
Por nota, o Ministério da Saúde brasileiro informou que considera fundamental a conclusão do projeto, “que contribuirá significativamente para o fortalecimento do sistema de saúde público moçambicano”.
O órgão também justificou a troca de medicamentos: “Devido ao registro de patentes de novos medicamentos, avanços tecnológicos e, principalmente, mudanças na política de tratamento adotada pelo Ministério da Saúde de Moçambique, o portfólio de medicamentos (da fábrica) sofreu alterações. O portfólio final contemplará a transferência tecnológica e a produção de dez medicamentos, incluindo o paracetamol”.
Dessa lista de dez, além do paracetamol, três são antirretrovirais já descartados por Moçambique, três são os medicamentos que já foram produzidos na fábrica, mais um antiviral, um antianêmico e um diurético.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Geral'

Planejamento vai desbloquear R$ 2 bi para ministérios

Cide será zerada para reduzir preço dos combustíveis, diz Maia

Alimentos com muito açúcar terão alerta para consumidor

Especialistas destacam avanços, mas temem riscos à biodiversidade

Preço médio do frango exportado continua deixando dúvidas

Ovos: mercado calmo e preços estáveis na abertura da semana

Protesto de caminhoneiros atinge ao menos 17 Estados

Vida longa aos fungicidas

Gasolina e diesel ficam mais caros, enquanto preço do etanol cai

Índice de confiança da indústria recua em maio pela segunda vez

Mais Destaques

Cidade

Maior Conclave Leonístico do Sul do Brasil inicia dia 24

"ultrapassamos os 14 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo em 3 anos. Aqui sua propaganda, propaga - 45 9.91339499"
(Leitores)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)