AgroGazeta

Clima: La Niña está estabelecido, afirma serviço australiano de meteorologia

| 06/12/2017 - 20:50

Clima: La Niña está estabelecido, afirma serviço australiano de meteorologia

O Oceano Pacífico atingiu níveis de temperatura que já caracterizam a ocorrência de um novo fenômeno climático La Niña, segundo reporte nesta terça-feira do serviço australiano de meteorologia, Bureau of Meteorology (BOM na sigla em inglês). Os modelos climáticos, no entanto, sugerem que o evento será fraco e de curta duração, persistindo até o início do outono de 2018 no hemisfério Sul.

“Sinais de La Niña no Pacífico equatorial aumentaram durante a primavera. O Oceano Pacífico tropical do centro para o leste esfriou de forma constante desde o inverno, e agora está no limiar de La Niña (0,8°C abaixo da média). Os indicadores atmosféricos, incluindo o Índice de Oscilação do Sul (SOI), os ventos e as nuvens, também mostram padrões claros de La Niña”, disse o serviço em nota.
Segundo o BOM, para que 2017/18 seja classificado com um período de La Niña ainda é necessário que o evento dure pelo menos três meses. Os modelos climáticos pesquisados pelo serviço australiano sugerem que, embora o evento possa persistir até o verão do hemisfério sul, ele será mais fraco que o forte La Niña registrados nos anos de 2010 e 2012.
Modelos apontam que a ocorrência do fenômeno La Niña, a região Sul do Brasil pode ter falta de chuva ou intensificação de veranico. A situação demanda atenção uma vez que as culturas de verão, como a soja e milho que estão em plantio e serão colhidas nos próximos meses, podem ser afetadas. No Norte, as chances são de chuvas acima da média em alguns estados. Mapas do Inmet já mostram esses reflexos. Para o Centro-Oeste e Sudeste, todo tipo de fenômeno pode ser esperado.
Em outras localidades ao redor do globo, o fenômeno também pode favorecer mudanças climáticas. Como o aumento das chuvas no Sudeste Asiático e Austrália. Para os Estados Unidos, o NOAA disse recentemente que a perspectiva favorece temperaturas acima da média e precipitação abaixo da média em toda a parte Sul do país, enquanto a parte Norte do país poderia ver temperaturas abaixo da média e acima da precipitação mediana.
Os Estados Unidos disseram no mês passado que um fraco La Niña se formou em outubro e tem 64% de chances de durar até março.
O professor Expedito Rebello, coordenador geral do Inmet, disse que o escritório australiano costuma ser bastante criterioso ao elevar e confirmar fenômenos climáticos. “Eles são muito duros. A Austrália deve sofrer impactos diretos com o La Niña, como enchentes em algumas áreas e secas em outras”, explicou o especialista.
Reflexos no mercado de commodities
Informações reportadas pela agência de notícias Bloomberg dão conta os preços das commodities agrícolas, incluindo o milho, a soja, o trigo, o algodão, o açúcar e o café podem aumentar e ser voláteis durante todo o ciclo de La Niña. Além disso, a produção de algodão da Austrália pode se beneficiar com as chuvas no país, segundo o grupo da indústria Cotton Australia em outubro.
Fonte: Notícias Agrícolas
Galeria de fotos
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Importações de fertilizantes pelo Brasil caem 25% em janeiro, diz Anda

Com Índia como principal mercado, Paraguai aumentou exportação de óleo de soja em 8,3%

Temer fala em avanços, um dia depois de desistir da reforma da Previdência

Farelo de soja do Brasil tem preços melhores no mercado internacional

Sicredi bate recordes no Show Rural Coopavel 2018

Coamo tem receita global de R$ 11,07 Bi e distribui R$318 mi em sobras aos seus mais de 28 mil assoc

Chuva pode afetar colheita da soja na maior parte do Brasil

Plataforma otimiza uso de recursos hídricos em bacias hidrográficas

Produtores de milho estão com um olho no silo e outro na safrinha

Malásia virá ao Brasil em junho para habilitar plantas frigoríficas, diz ministério

Mais Destaques

Política

Brasil cai 17 posições em ranking global de corrupção

Esporte

ABATOL recebeu cartão Passe Atleta

Gente X Poder

Teto baixo ou teto ALTO?

Cidade

Núcleo de Gastronomia se prepara para renovar selo de qualidade

Economia

Mais de mil contribuintes que aderiram ao Novo Refis estão irregulares

Geral

Cresce abertura de novas empresas no Brasil

Cultura

AMOP lança projeto cultural para 54 cidades da região

Variedades e Gente

Ação Social promove Almoço Italiano

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)