Política

Governo tenta emplacar reforma da Previdência ‘para mercado ver’

| 13/11/2017 - 21:00

“Líderes do Governo falam em reduzir as mudanças propostas, após reação do mercado a declaração de Temer.”
Depois de sinalizar ter jogado a toalha com relação à reforma da Previdência, o presidente Michel Temer sofreu um contra-ataque do mercado, e agora se esforça para costurar acordos com os parlamentares e aprovar a proposta do Governo. Na semana passada o peemedebista deu declarações pessimistas com relação à possibilidade de fazer as mudanças avançarem na Câmara. “Se, em um dado momento, a sociedade não quer [a reforma], a mídia não quer e a combate, e naturalmente o Parlamento, que ecoa as vozes da sociedade, não quiser aprova-la, paciência”, afirmou. A resposta do mercado foi imediata: os juros e o dólar subiram e a bolsa fechou o dia em queda. Agora, em um esforço para convencer os investidores de que não desistiu do plano, o Planalto trabalha com líderes do Congresso para aprovar ao menos parte do pacote de mudanças propostas pelo ministro da Economia, Henrique Meirelles.
A reforma é apontada por Temer como uma das principais para equilibrar as contas públicas. A expectativa inicial do Governo era economizar 800 bilhões de reais em 10 anos. O texto enviado foi aprovado em Comissão Especial na Câmara em maio, e desde então ficou parado na gaveta do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Antes de ser enviado ao Senado, precisa passar pelo plenário da Casa, onde necessita do voto favorável de 308 deputados. Altamente impopulares, as medidas encontram forte rejeição entre os parlamentares, e Temer se esforça para costurar um acordo que garanta ao menos parte do pacote.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Caixa aprova novo estatuto que limita indicações políticas para cargos de direção

Procurador não vê motivos para pedir prisão de Lula, diz MPF

Ato em Defesa da Justiça já está confirmado em 42 cidades brasileiras

Defesa de Temer entrega ao STF respostas a questionamentos da PF

Provas claras ou ilação? Assim será a batalha judicial sobre Lula

MPF pede 386 anos de prisão para Cunha e 78 para Henrique Eduardo Alves

A semana em que as primeiras pedras atingiram a vidraça de Jair Bolsonaro

Janot presta depoimento à PF em investigação sobre delação da J&F

Presidente do TRF e do STF tratam da segurança do julgamento de Lula

Pobres contra o aborto, ricos a favor das armas

Mais Destaques
"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)