Cidade

Em debate promovido pela Itaipu na COP 23, especialistas defendem diversificação da matriz energétic

| 13/11/2017 - 20:20

A binacional reuniu diferentes atores do setor de geração energética para discutir ações rumo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

É possível chegar a 2030 com uma matriz energética 100% renovável. Esta é a opinião de 71% dos especialistas ouvidos em uma pesquisa realizada pela Rede de Políticas de Energias Renováveis para o Século 21 (REN 21). Os dados são parte do Relatório da Situação Global das Energias Renováveis e foram o tema do debate “Nexo Água-Energia: como a geração hidrelétrica pode liderar o desenvolvimento sustentável em um ambiente em mudança”, promovido pela Itaipu Binacional em parceria com a Secretaria das Nações Unidas para Mudanças Climáticas, sexta-feira (10), na 23ª Conferência Mundial do Clima (COP 23), em Bonn, na Alemanha.
A empresa reuniu diferentes atores do setor de geração energética para discutir ações rumo aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 6 e 7. As metas tratam de água e energia e são parte da lista de 17 objetivos ratificados em 2015 pela Organização das Nações Unidas (ONU). Na lista de tarefas estão missões ambiciosas de eficiência energética, cooperação internacional e universalização do acesso a ambos os recursos.
O diretor de Coordenação da Itaipu, Hélio Amaral, destacou que, ocupando o posto de hidrelétrica que mais gera energia no mundo, é natural que a organização coloque no cerne de seus negócios a manutenção de sua principal matéria-prima: a água. Nesse sentido, destacam-se as ações do Cultivando Água Boa, um amplo programa de cuidados com as microbacias da região. “Fazemos tudo com a participação da comunidade local e promovendo o desenvolvimento regional. Consideramos a segurança da água como parte dos nossos negócios”, disse.
As ações envolvem recuperação de nascentes, capacitação de agricultores, reflorestamento e também a diversificação da matriz energética. A empresa investe em geração de biogás a partir de dejetos dos animais e instalou placas de geração de energia solar no estacionamento de um seus escritórios, porém, ainda em sistema piloto e sem objetivos de comercialização.
Para Cristine Lins, secretária-executiva da REN 21, o caminho é correto. “A energia hidroelétrica tem sido uma pilastra no avanço das renováveis, mas é preciso desenvolver as demais energias para chegarmos a uma matriz equilibrada e 100% renovável”, comentou. Ela destacou que os investidores têm apostado mais em outras fontes, como a solar. “A China em 2016 ampliou em 34,5 GW capacidade instalada de geração de energia solar, aumentando em 45% seu potencial”, ressaltou.
Este equilíbrio entre as fontes é também o caminho para que investidores abracem de vez o setor. James Close, diretor de mudanças climáticas do World Bank Group, explica que a diversificação pode trazer mais segurança em um cenário de imprevisibilidade da disponibilidade de água. “Os padrões erráticos das chuvas e as secas e enchentes mais frequentes têm impactos severos quando falamos da falta de água. Para financiar projetos precisamos garantir todos estes aspectos. Assim os investidores podem entender os problemas e os riscos também”, comentou.
Richard Taylor, diretor executivo da International Hydropower Association (IHA – Associação Internacional de Hidreletricidade), corroborou com a abordagem. “Não existe uma tecnologia única que seja a solução para a energia limpa. Precisamos de uma sinfonia de renováveis para o futuro”, enfatizou.
Ele destacou ainda o exemplo da Costa Rica, que tem em seu território a maior hidrelétrica da América Central e comercializa seu excedente energético com outros seis países, por meio do Central American Electricity Interconnection System (Siepac – Sistema de Interconexão Elétrica para Países da América Central). “A eletricidade lá é cotidianamente comercializada. Quando existe mais energia o mercado se beneficia disso. Esse sistema fez o custo da energia descer e diminui a necessidade do uso de fontes não renováveis”, explica.
Lembrando os ODS, Taylor destaca o valor de parcerias deste tipo. “Não chegaremos a esses objetivos sem uma abordagem sistêmica, sem parcerias. Se você tiver uma interconexão ou uma rede mais ampla que combina várias fontes, você compartilha e compensa reservas Precisamos acelerar e pensar em um futuro com as energias renováveis”.
Para Cristine Lins, este é o futuro que precisa ser desenhado, mas o processo é ainda lento. “Temos progresso, mas até agora não o suficiente para atingir as metas de Paris (estabelecidas na COP 21). Para chegarmos ao cenário de 100% de renováveis precisamos de políticas adequadas e não se pode negligenciar o tempo. 2050 parece estar muito longe, mas são só 33 anos e as decisões tomadas hoje é que vão influir neste resultado”, enfatizou, concluindo ainda que “16% da população global vive sem eletricidade. São 1,9 bilhão de pessoas. Isso é inaceitável no século 21. Somos a primeira geração que tem nas mãos a tecnologia para mudar isso e precisamos fazê-lo”.
Com a colaboração da Envolverde.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Cidade'

Prefeitura e Biopark firmam parceria

Nono sorteio da campanha ‘ACIT 50 anos, 50 motos’ será realizada hoje

Cautelar suspende contratos da Copel

CNMP realiza Ação Nacional em defesa do Sistema Prisional

Gallassini comemora Jubileu de Ouro com sua Turma de Agronomia

Sistema OCB lança campanha de valorização das cooperativas brasileiras

Palestra encerra programação da Escola de Pais deste ano

Acit comemora cinquentenário neste dia 23

Alunos do EJA realizam 8ª Mostra Cultural e Pedagógica

Última coleta analisa a situação sanitária dos animais silvestres de Toledo

Mais Destaques
"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)