Cidade

Debates sobre direitos dos presos e das vítimas da violência

| 13/11/2017 - 20:20

Apenas 7% da população carcerária brasileira recebe auxílio-reclusão, pois a burocracia acaba desestimulando os condenados a reivindicar esse direito. A informação é da defensora pública da União, Michelle Leite de Souza Santos.
Segundo Michelle, esse é um direito de todas as pessoas que contribuem para o INSS, apesar de ser apontado por parte da sociedade como um privilégio, sob o argumento de que as famílias dos reclusos são assistidas, enquanto as famílias das vítimas não têm amparo do Estado.
A defensora pública participou da edição, que aconteceu ontem (13) do programa Diálogo Brasil, que debateu os direitos dos presos e das vítimas da violência. Também foi entrevistado Francisco Régis Ferreira Lopes, representante do Comitê de Vítimas da Violência (Convive).
Para Lopes, o sentido de benefícios destinados a assegurar a dignidade dos presos “é respeitável”, mas critica a impunidade e também cobra do Estado acompanhamento jurídico, psicológico e social para as vítimas e suas famílias.
A realidade do sistema penitenciário brasileiro - em que a taxa de ocupação é de 167%, com 622 mil condenados em 372 mil vagas – leva o Estado a não garantir condições mínimas de dignidade estabelecidas pelas Nações Unidas no pós-Segunda Guerra Mundial, 60 anos atrás, como celas limpas, bem ventiladas e iluminadas, alimentos saudáveis, água potável, leitos e roupas de cama para todos os reclusos.
Além dos dois convidados que compuseram a mesa, outros especialistas participaram do programa por meio de depoimentos em vídeo. Entre eles, o assessor jurídico da Pastoral Carcerária de São Paulo, Francisco Crozera, e o estudante Emerson Franco, que passou quase sete anos preso e hoje faz palestras sobre violência urbana e combate às drogas na rede pública de ensino do Distrito Federal.
Também participaram a fundadora e coordenadora do Movimento Moleque do Rio de Janeiro, Mônica Cunha, e Valdeci Ferreira, diretor-executivo da Fraternidade Brasileira da Assistência aos Condenados, entidade que agrega os centros Apac (Associação de Proteção e Assistência ao Condenado), um modelo de presídio humanizado que vem crescendo no país e no exterior.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Cidade'

Prefeitura e Biopark firmam parceria

Cautelar suspende contratos da Copel

CNMP realiza Ação Nacional em defesa do Sistema Prisional

Gallassini comemora Jubileu de Ouro com sua Turma de Agronomia

Nono sorteio da campanha ‘ACIT 50 anos, 50 motos’ será realizada hoje

Sistema OCB lança campanha de valorização das cooperativas brasileiras

Alunos do EJA realizam 8ª Mostra Cultural e Pedagógica

Última coleta analisa a situação sanitária dos animais silvestres de Toledo

Palestra encerra programação da Escola de Pais deste ano

Acit comemora cinquentenário neste dia 23

Mais Destaques
"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)