Regional

Boletim traz números da educação no Oeste do Paraná

| 07/11/2017 - 21:00

O número de vagas ofertadas no ensino superior cresceu 13% entre 2012 e 2016 nos 54 municípios do Oeste do Paraná. Eram 30.586 e agora são 34.685. A quantidade de faculdades também teve acréscimo de 5%, enquanto na média brasileira houve redução de 2,2%. O maior avanço foi de instituições públicas. Eram oito em 2012 e, agora, são 12. A cidade com mais faculdades da região é Foz do Iguaçu, com 13 instituições, seguida de Cascavel, com 11, e Toledo, com seis instituições de ensino superior.
Os dados são do Boletim de Conjuntura Econômica Regional do Oeste do Paraná com o tema Educação, lançado pelo Observatório Territorial do Programa Oeste em Desenvolvimento (POD), que reúne 60 instituições da região.
O documento com 191 páginas faz um panorama da educação em todos os municípios do território e compara com Paraná, Região Sul e todo o Brasil, desde a educação básica, média, profissionalizante e superior. Inclui o número e tipos de estabelecimentos, número de alunos matriculados, concluintes e também quantidade de docentes.
“Esses dados podem auxiliar a análise e o planejamento de instituições públicas e privadas do setor, estimular a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico da educação e possibilitar à sociedade um panorama sobre a área”, explicou o coordenador do Boletim, Flavio Rocha.
O documento foi publicado pela Editora Parque Itaipu, da Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI), em parceria com o Núcleo de Desenvolvimento Regional (NDR) e do Grupo de Pesquisa em Desenvolvimento Regional e Agronegócio da Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste/Toledo).
O Boletim está disponível pelo link https://goo.gl/8RNCQA e também será distribuído nas Associações Comerciais, Universidades, Prefeituras e Cooperativas.
Educação é o terceiro tema tratado pelo Boletim, que é lançado semestralmente. As últimas edições trouxeram dados sobre a produção agropecuária e os empregos e estabelecimentos da região. Todas as edições estão disponíveis para download no site do programa: www.oesteemdesenvolvimento.com.br. Os próximos assuntos a serem pesquisados serão “Saúde” e “Aspectos Sociais”.
Segundo Rocha, a proposta do boletim é disseminar e popularizar dados já existentes. “Essas informações estão disponíveis para o público, são gratuitas, mas muitas vezes as pessoas não sabem como acessar”, afirma. A linguagem utilizada, de acordo com ele, também é mais simplificada e visualmente mais atraente.
Educação básica
O número geral de matrículas na educação básica caiu 2% na região estudada pelo Programa. Em 2012 foram efetuadas 300.240 matrículas e, em 2016, 295.054.
O ensino fundamental retraiu 5% (de 189.353 para 180.402 alunos). Porém, o ensino médio foi a etapa com maior redução no número de alunos, com uma queda de 9% (de 62.758 em 2012 para 57.267 em 2016).
Na educação básica (infantil, fundamental e médio) havia 2.149 escolas na região Oeste, número que saltou para 2.181 em 2016.
Quanto ao número de instituições que ofertam ensino para jovens e adultos (modalidade EJA), houve uma redução de 50% no período – eram 279 e agora são 139.
Já a educação especial registrou avanço de 14%: passou 799 para 908 estabelecimentos.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Regional'

Colégio Pio XII recebe R$ 100 mil para melhorias na infraestrutura

Projeto-piloto da Caciopar dá novo impulso a SPCs de cidades do Oeste

Alci Rotta Júnior é o candidato de consenso à presidência da Caciopar

Movimentação planetária na produção rural é tema de curso

Maringá é destaque em Logística Reversa no Paraná

Professores da Rede Municipal participam de formação sobre educação empreendedora

Empresário de Quedas do Iguaçu receberá a comenda Hylo Bresolin

Alvará em Assis vence dia 28 de fevereiro

Inscrição de chapas para eleição expira no dia 19

Após reclamação de cidadão ao TCE, Francisco Beltrão revoga edital de R$ 6,6 milhões

Mais Destaques

Política

PF cumpre sete mandados de prisão na 48ª fase Lava Jato; sede do governo do Paraná é alvo de busca

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)