Cidade

Nota de esclarecimento

| 11/10/2017 - 20:00

Nota de esclarecimento

Considerando a decisão judicial impetrada pelo Juíz Federal Renato C. Borelli em favor do Conselho Federal de Medicina (Processo n. 1006566-69.2017.4.01.3400) que afeta amplamente o exercício do profissional Enfermeiro, e principalmente, afeta as ações de atendimento à saúde pública, prejudicando de forma inimaginável os atendimentos à população na atenção básica e no pré-natal de baixo risco, atrasando ou inviabilizando exames essenciais como VDRL, em um momento crítico no qual o Brasil enfrente epidemia declarada de sífilis, associada a complicações gravíssimas, inclusive cegueira e morte neonatal. A decisão ainda prejudica efetividade do atendimento feito por enfermeiros e enfermeiras em programas de saúde que atendam diabéticos e hipertensos, tuberculose, hanseníase, DST/AIDS, dentre outros agravos, que também podem sofrer descontinuidade;
Considerando a Lei n. 7.498/1986 que regulamenta o exercício da Enfermagem, estabelecendo como privativo do enfermeiro a realização de consultas de Enfermagem e a prescrição de medicamentos estabelecidos em programas de saúde pública e em rotinas aprovadas pela instituição de saúde, como integrante da equipe da saúde, e ainda, que existem protocolos e leis municipais que prevê a consulta de enfermagem com solicitação de exames e prescrição de medicamentos em consonância com os Protocolos da Secretaria de Estado da Saúde e do Ministério da Saúde;
Considerando a Resolução do Conselho Federal de Enfermagem – COFEN n. 195/1997, sobre a solicitação de exames de rotina e complementares, em seu artigo 1º dispõe que “o enfermeiro pode solicitar exames de rotina e complementares quando no exercício de suas atividades profissionais”;
Considerando a Nota de Esclarecimento do COREN – Conselho Regional de Enfermagem do Paraná, que esclarece que a Lei Federal n. 7.498/1986, regulamentada pelo Decreto n. 94.406/1987, onde em seu artigo 11º, prevê como atribuições privativas do enfermeiro a consulta de enfermagem, a prescrição da assistência de enfermagem e os cuidados de enfermagem de maior complexidade técnica, entre outras;
Considerando a Nota de Esclarecimento do COREN – Conselho Regional de Enfermagem do Paraná que recomenda que seus inscritos cumpram com suas atribuições e responsabilidades, visando assegurar assistência digna e segura a população usuária do SUS;
Considerando a Nota de apoio da Sociedade Brasileira de Medicina da Família e Comunitária, formada por profissionais médicos, que alerta quanto aos riscos de prejuízos assistências na Estratégia Saúde da Família com a limitação do trabalho do enfermeiro na atenção primária por uma determinação judicial;
A Secretaria Municipal da Saúde vem a publico demonstrar seu irrestrito e total apoio aos Enfermeiros e Enfermeiras no âmbito de suas atuações legais demonstradas acima, e destacar que os grandes avanços da saúde pública são decorrentes da atuação positiva, harmônica e ética entre Médicos e Enfermeiros que somados a toda equipe de saúde vêm prestando serviços de qualidade à população toledana. Se as restrições impostas por equivocada decisão judicial forem mantidas e efetivadas haverá um imenso prejuízo aos pacientes que procuram a saúde pública, e um aumento considerável da demanda de trabalho dos profissionais médicos causando prejuízos a todos que dependem do SUS.
A Nota de Esclarecimento é assinada pelo Secretário de Saúde Thiago Daross Stefanello
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Cidade'

CNMP apresenta proposta para ocupantes de cargo em comissão no MP

Núcleo de Gastronomia se prepara para renovar selo de qualidade

Paraná altera base de cálculo do ICMS de medicamentos

Convênio oferta atividades em contraturno escolar na rede municipal

Inscrições para vagas de curso sobre Inovação encerram dia 11/03/18

Radar portátil passa por aferição do Inmetro

Saúde realiza audiência pública quadrimestral para prestação de contas

Comércio e Serviços fecham 2017 com crescimento no Paraná

Estudo mapeia o setor de microcervejarias artesanais no PR

Palestra sobre a lei de incentivo ao esporte em Marechal Rondon

Mais Destaques

Gente X Poder

Teto baixo ou teto ALTO?

Regional

Projeto-piloto da Caciopar dá novo impulso a SPCs de cidades do Oeste

Esporte

ABATOL recebeu cartão Passe Atleta

Cultura

AMOP lança projeto cultural para 54 cidades da região

Variedades e Gente

Ação Social promove Almoço Italiano

Economia

Mais de mil contribuintes que aderiram ao Novo Refis estão irregulares

Geral

Cresce abertura de novas empresas no Brasil

Política

Brasil cai 17 posições em ranking global de corrupção

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)