AgroGazeta

Mais de 80% da população brasileira habita 0,63% do território nacional

| 11/10/2017 - 22:00

As áreas consideradas urbanas no Brasil representam menos de 1% do território nacional (0,63%) e concentram 190,7 milhões de pessoas, ou seja, 84,3% da população brasileira. Os dados vieram do mais detalhado trabalho de identificação de áreas urbanas já feito no País. Executado por profissionais da Embrapa Gestão Territorial (SP), o estudo Identificação, mapeamento e quantificação das áreas urbanas do Brasil levou três anos para ser concluído e exigiu observação minuciosa de centenas de imagens de satélite. Todas as informações geradas estão disponíveis para serem baixadas gratuitamente na internet no formato shapelife O trabalho permitiu, entre várias outras aplicações, relacionar os municípios com maior densidade populacional urbana, lista que tem no topo Nilópolis, localizado na baixada fluminense, cujos 158.309 habitantes ocupam menos de 10 km2, resultando em mais de 16 mil habitantes por quilômetro quadrado (Tabela 4). Entre as cidades com mais de 200 mil habitantes, Diadema, na Grande São Paulo, é a que apresenta a área urbana mais densamente povoada, com média de 13.875 moradores por quilômetro quadrado (Tabela 1). Na comparação entre unidades da federação, o Estado de Alagoas é o que apresenta maior densidade demográfica urbana, com 4.880 pessoas por quilômetro quadrado. No extremo oposto está Tocantins, cujas áreas urbanas abrigam, em média, 1.538 habitantes por quilômetro quadrado. São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília lideram, nessa ordem, a lista dos municípios de maior área urbana do País. Os resultados têm inúmeras aplicações práticas, como subsidiar políticas públicas, estudos demográficos, projetos de desenvolvimento urbano e investimentos em infraestrutura e logística. “Os municípios com maior densidade populacional nas cidades, por exemplo, costumam apresentar maiores desafios para a gestão pública e exigir mais demandas e serviços públicos,” exemplifica o geógrafo André Rodrigo Farias, analista da Embrapa e principal autor do trabalho. Segundo ele, o controle de disseminação de pragas e doenças agrícolas é outro exemplo de aplicação dos resultados. “Percebemos que muitas pragas não são inicialmente detectadas nas regiões de fronteira, mas nas cidades. Por isso, é fundamental identificar as áreas urbanas para trabalhos de gestão territorial e controle dessas pragas”, comenta.
Desafios
Um dos maiores desafios da equipe foi definir conceitualmente área urbana e área rural. Em seus estudos demográficos, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) utiliza a delimitação legal que cada município determina para estabelecer seu perímetro urbano e suas áreas rurais. “Nessa classificação, é muito comum áreas tipicamente urbanas com grande densidade de construções serem catalogadas como rurais e vice-versa”, explica Farias. As razões para isso são várias como, por exemplo, a necessidade de atualização da legislação municipal para que acompanhe a dinâmica de ocupação do solo. De acordo com o especialista, muitas áreas determinadas legalmente pelos municípios diferem, em maior ou menor grau, daquelas observadas no levantamento feito pela Embrapa, o que justifica a diferença em relação aos dados do IBGE. “Nesse estudo, o objetivo era mapear as áreas urbanas da forma mais exata possível por meio de imagens de satélite de alta resolução, reconhecendo, para isso, concentrações visíveis de edificações, loteamentos e arruamentos,” esclarece o geógrafo.
Aplicações para a defesa sanitária Para o entomologista Luiz Alexandre Nogueira de Sá, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente (SP), o mapeamento será valioso para diversas ações, como o conhecimento da capacidade de dispersão das pragas e de seu efetivo controle. Ele lembra que a área urbana oferece abrigo para algumas pragas importantes para a lavoura. “A mosca-da-carambola, por exemplo, encontra hospedeiros em quintais e ruas de diversas cidades do Amapá. A própria carambola é muito plantada no meio urbano”, relata. Por esse motivo, o especialista defende que as ações voltadas ao controle de pragas como essa devem ser planejadas considerando-se também as áreas urbanas. O cientista ressalta ainda que a maior ameaça dos citros da atualidade, o HLB, é transmitido por um inseto sugador que ataca também a murta, planta arbustiva decorativa presente em jardins de muitas cidades. “Qualquer ação de controle da Dioaphorina citri (inseto-praga vetor do HLB) deve levar em consideração áreas próximas que tenham murta,” recomenda Nogueira, frisando mais uma vez a importância de se conhecer as áreas urbanas tanto quanto as rurais. Ações de manejo integrado de pragas (MIP), por exemplo, devem envolver também áreas urbanas sujeitas a servir de abrigo à praga-vetora do HLB. Outra contribuição importante do trabalho, de acordo com Nogueira de Sá, é permitir o acompanhamento da dinâmica de ocupação urbana. Ele explica que o avanço das cidades sobre áreas rurais altera flora e fauna locais e deslocam pragas que estavam restritas a determinadas áreas. “Pragas que estavam isoladas em certos campos, muitas vezes, vão procurar abrigo em outras áreas rurais, quando o meio urbano invade seu espaço,” detalha o cientista, enfatizando que esse processo muitas vezes desloca pragas para lugares em que elas nunca haviam estado, gerando desafios novos nas lavouras.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Biolabore leva curso a São José das Palmeiras

Frota dos Alimentos Coamo com nova plotagem é apresentado

Importações de fertilizantes pelo Brasil caem 25% em janeiro, diz Anda

Com Índia como principal mercado, Paraguai aumentou exportação de óleo de soja em 8,3%

Temer fala em avanços, um dia depois de desistir da reforma da Previdência

Farelo de soja do Brasil tem preços melhores no mercado internacional

Sicredi bate recordes no Show Rural Coopavel 2018

Coamo tem receita global de R$ 11,07 Bi e distribui R$318 mi em sobras aos seus mais de 28 mil assoc

Chuva pode afetar colheita da soja na maior parte do Brasil

Plataforma otimiza uso de recursos hídricos em bacias hidrográficas

Mais Destaques

Política

Brasil cai 17 posições em ranking global de corrupção

Economia

Mais de mil contribuintes que aderiram ao Novo Refis estão irregulares

Geral

Cresce abertura de novas empresas no Brasil

Gente X Poder

Teto baixo ou teto ALTO?

Regional

Projeto-piloto da Caciopar dá novo impulso a SPCs de cidades do Oeste

Cidade

Núcleo de Gastronomia se prepara para renovar selo de qualidade

Variedades e Gente

Ação Social promove Almoço Italiano

Cultura

AMOP lança projeto cultural para 54 cidades da região

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)