Política

Fundo eleitoral pode não ser suficiente para gastos de campanha, diz deputado

| 05/10/2017 - 21:20

O relator da reforma política na Câmara, Vicente Cândido (PT-SP) disse ontem (5) considerar que o valor do fundo eleitoral aprovado na quarta-feira, pelos deputados em plenário da Câmara pode não ser suficiente para os gastos das campanhas, mas representa um custo alto para o eleitor. O deputado fez um balanço depois da votação que permitiu a criação e a regulamentação do fundo de financiamento público das próximas eleições.
Na quarta-feira à noite, os deputados aprovaram o projeto de origem do Senado que cria um fundo eleitoral composto por R$ 1,7 bi. O chamado Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) disponibilizará recursos públicos para as campanhas eleitorais a partir de 30% do total das emendas parlamentares e do corte de gastos com propaganda eleitoral no rádio e na TV.
Pelo sistema atual “o fundo é muito pra quem vai pagar, que é o povo brasileiro, e é pouco pra quem vai receber. Porque o sistema atual não combina nem com financiamento público, nem tampouco com privado. Se resolvesse com privado não teria Lava Jato. O que tem que se mudar é o sistema de votação. Ou muda o sistema e baixa o custo da campanha ou será crise permanente com dinheiro público ou privado”, avaliou.
“[Se não aprovar] a gente vai ter apenas um fundo capenga sancionado pelo presidente, um fundo sem regramento de distribuição, sem teto para gastos, sem limite de autofinanciamento, será um horror, por isso eu não quero acreditar nessa hipótese, acho que o Senado não vai faltar com essa responsabilidade”, argumenta.
“Esse é um tema que está mais do que comprovado, que por causa da crise, poderia ter sido, deveria ter saído uma reforma política mais adequada. (….). O resultado é bastante aquém do necessário, apesar da crise. Isso mostra que ou a sociedade toma posição, elabora e ofereça para o Brasil, para os partidos, para o Congresso Nacional para equilibrar um pouco o jogo, ou dificilmente sairá reforma Política”, disse.
No entanto, o Congresso conseguiu promulgar a emenda que elimina as coligações partidárias a partir de 2020 e cria a cláusula de desempenho para garantir acesso aos recursos do Fundo Partidário somente para os partidos que atingirem um patamar mínimo de votos em todo o país.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Reforma da Previdência deve ser votada no Senado em fevereiro, diz Temer

Investigação revela exército de perfis falsos usados para influenciar eleições no Brasil

Bancada da Bala, Boi e Bíblia impõe ano de retrocesso para mulheres e indígenas

PGR sugere que corruptos paguem indenização equivalente a danos causados

Maia admite dificuldade em obter votos para aprovar Previdência

Novo portal do Congresso dá mais transparência à atuação do Parlamento

Tiririca faz primeiro discurso na Câmara para dizer que está ‘abandonando a vida pública’

Os argumentos de quem vê catástrofe sem Reforma da Previdência

Reforma da Previdência não deve ficar para o próximo presidente

MPF: 70% de casos de autoridades que tramitam no STF e STJ são por corrupção

Mais Destaques

Cultura

Conferência aprova propostas para a cultura e aclama os novos conselheiros

Variedades e Gente

Saiba em quais profissões apostar em 2018

Regional

Santa Terezinha de Itaipu vai capacitar catadores de resíduos

Cidade

Empresária acusa o Vereador Airton Paula (Savelo), (PTB) de ameaçar fechar sua empresa, se prevalece

Gente X Poder

Abuso de poder pode cassar vereador em Toledo

"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)