Política

Advogado protocola defesa de Padilha na CCJ da Câmara

| 04/10/2017 - 21:10

O advogado Daniel Gerber protocolou, ontem, na Comissão de Constituição Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados, a defesa do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, contra a denúncia pelos crimes de obstrução da justiça e organização criminosa. Padilha é um dos acusados na denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer e o ministro Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência da República.
Daniel Gerber evitou comentar os argumentos apresentados na peça contrária à denúncia. Ele adiantou, no entanto, que considera a denúncia inepta e sem fundamento. “Não há sequer uma menção de participação do ministro em qualquer ato vinculado à Operação Lava Jato. Então, temos, sim, a mais absoluta convicção de que esta Casa legislativa não deixará que uma peça nessas condições siga adiante”, disse Gerber.
Os advogados do presidente Michel Temer e do ministro Moreira Franco também entregaram a defesa na CCJ. A denúncia contra Temer e os ministros foi apresentada pelo então procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF), que aguarda a decisão dos deputados sobre a abertura do processo de investigação na Justiça.
Com a entrega da defesa, caberá à CCJ analisar e votar um parecer que seja favorável ou não ao prosseguimento da denúncia perante a justiça. A comissão tem o prazo de até cinco sessões para encaminhar o parecer aprovado ao plenário.
Segundo o presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), a primeira reunião de análise da segunda denúncia será convocada para a próxima semana. Na sessão inicial, o relator Bonifácio de Andrada (PSDB-MG) deve ler seu parecer e, em seguida, os advogados terão direito a se manifestar oralmente pelo mesmo tempo utilizado pelo relator.
A partir da segunda reunião da comissão, todos os 66 membros da comissão terão direito de discutir o relatório. Encerrada a fase de debates, tanto o relator quanto os advogados dos acusados terão direito a réplica, e o relatório será submetido a votação. A previsão é que a votação na CCJ ocorra logo após o feriado de 12 de outubro.
Denúncia
No inquérito sob análise da Câmara, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sustenta que o presidente Temer e os ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco, ambos do PMDB, formaram esquema de corrupção, envolvendo integrantes do partido na Câmara, com o objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública.
De acordo com a acusação, Temer teria atuado para comprar o silêncio do doleiro Lúcio Funaro, um dos delatores nas investigações da Operação Lava Jato, acusado de ser o operador do suposto esquema. A interferência teria ocorrido por meio dos empresários da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, que são acusados do mesmo crime de obstrução da justiça.
Depois de passar pela CCJ, a denúncia deverá ser analisada em plenário, onde deve receber pelo menos 342 votos, o que corresponde a dois terços dos 513 deputados, quorum exigido pela Constituição para que denúncias contra um presidente da República sejam investigadas pelo Supremo. A previsão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é de que a votação da denúncia se encerre até 23 de outubro. Fonte: Agência Brasil
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Reforma da Previdência deve ser votada no Senado em fevereiro, diz Temer

Investigação revela exército de perfis falsos usados para influenciar eleições no Brasil

Bancada da Bala, Boi e Bíblia impõe ano de retrocesso para mulheres e indígenas

PGR sugere que corruptos paguem indenização equivalente a danos causados

Maia admite dificuldade em obter votos para aprovar Previdência

Novo portal do Congresso dá mais transparência à atuação do Parlamento

Tiririca faz primeiro discurso na Câmara para dizer que está ‘abandonando a vida pública’

Os argumentos de quem vê catástrofe sem Reforma da Previdência

Reforma da Previdência não deve ficar para o próximo presidente

MPF: 70% de casos de autoridades que tramitam no STF e STJ são por corrupção

Mais Destaques

Variedades e Gente

Saiba em quais profissões apostar em 2018

Cultura

Conferência aprova propostas para a cultura e aclama os novos conselheiros

Regional

Santa Terezinha de Itaipu vai capacitar catadores de resíduos

Cidade

Empresária acusa o Vereador Airton Paula (Savelo), (PTB) de ameaçar fechar sua empresa, se prevalece

Gente X Poder

Abuso de poder pode cassar vereador em Toledo

"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)