Cidade

Empresários têm que se unir para evitar colapso

| 21/08/2017 - 21:50

Empresários têm que se unir para evitar colapso

A maior crise da história brasileira e a séria decadência da economia e da democracia na Venezuela, que já foi o segundo país mais rico da América do Sul, não são obras do acaso. Elas resultam da ideologia de pessoas que, pelo poder e dominação a todo custo, enganam os seus semelhantes. “Os empresários brasileiros precisam se unir para evitar o colapso”, alertou durante encontro da Caciopar no sábado, no Centro Cultural de Guaraniaçu, o advogado e cientista político Frederico Junkert. Se nada for feito e rápido, os mesmos que dilapidaram o país por quase 15 anos podem voltar ao poder em 2018 e então terão aparelhamento e tempo para impor as suas vontades.
Para entrar no tema Cenário político brasileiro: o protagonismo dos empresários na política, Junkert fez uma recuperação histórica de alguns movimentos da política mundial e brasileira a partir do início do século passado. Ele começou pelo massacre de mais quatro milhões de pessoas na antiga União Soviética para que o regime comunista fosse implantado a partir de 1917. Em 1922, criou-se o Partido Comunista no Brasil e em 1935 seus simpatizantes tentaram dar um golpe contra o então presidente Getúlio Vargas. “A ditadura de Getúlio matou dez vezes mais que a ditadura militar no País e quase ninguém fala disso”, observou o cientista político.
A participação do Brasil na 2ª Guerra Mundial levou a questionamentos sérios internamente e promoveria à mudança do regime. Por que estamos em uma guerra na Europa que defende a democracia se aqui vivemos em uma ditadura? Essa foi a reflexão que levou a alterações que, na década de 1960, com o risco de instalação do comunismo levaria ao golpe militar e à cassação do registro do Partido Comunista. “O que somos hoje ainda têm forte conexão com as décadas de 1960 e 1970, porque as pessoas que dão as cartas no jogo político atual tiveram forte atuação política e estudantil na época”, diz Frederico Junkert. O ex-presidente do PT, Rui Falcão, era chefe de redação de uma das principais revistas de circulação nacional, e José Serra e Michel Temer trocaram favores pela presidência da UNE, a União Nacional dos Estudantes.
Com base na doutrina do pai do comunismo italiano, Antonio Gramsci, criaram-se estratégias para o retorno da esquerda ao poder. Mesmo com o uso de algumas táticas de guerrilha, a opção gradual foi pelo aparelhamento do Estado, com a infiltração de simpatizantes nos mais diversos setores organizados para que então quando os comunistas chegassem ao poder não houvesse resistência. Junkert lembrou que a reportagem sobre a Elba que viria a derrubar o presidente Fernando Collor de Mello foi escrita por João Santana, que mais tarde seria marqueteiro do PT. Santana foi preso e virou um dos delatores da Operação Lava Jato. O cientista citou também falhas na Constituição de 1988, que garante muitos direitos e praticamente nenhum dever.
Enquanto nos Estados Unidos a constituição liberal incentiva as pessoas a trabalhar, a estudar e a prosperar, no Brasil a lógica da constituição dirigente é fazer com que o Estado, com uma estrutura gigante e cara, seja o indutor do desenvolvimento. Há cerca de 30 anos, a carga tributária brasileira era de 18% do PIB e hoje esbarra nos 40%. “E se a sociedade não protestar, ela vai subir muito mais e mesmo assim não haverá dinheiro para as coisas que realmente importam para o desenvolvimento saudável do País”. Também não é por acaso que o
déficit de 2017 será de R$ 159 bilhões e deverá chegar a R$ 170 bilhões no ano que vem. “Sem as reformas, sem foco no trabalho e sem unidade, as coisas ficarão ainda mais difíceis”, alertou.
Absurdos
Junkert deu alguns exemplos dos absurdos que o Brasil produz e do quanto é preciso avançar para que mudanças consistentes e sérias ocorram. Ele citou o caso de um juiz do Mato Grosso com salário acima de R$ 500
mil mensais (e há centenas de casos nos quais magistrados ganham acima dos R$ 200 mil por mês). Perguntado sobre o que ele pensava disso, o juiz disse que não estava nem aí. “É um tapa na cara do empresário e do trabalhador, que fazem sacrifícios para pagar a conta do serviço público, ouvir um desaforo desse tamanho”, lamentou o cientista político.
Frederico Junkert falou também do custo da Justiça do Trabalho para 2018. Será de R$ 20 bilhões enquanto que para o trabalhador, por meio de ações, serão pagos R$ 13 bilhões. “Se acabarmos com ela e dermos esse dinheiro a quem reivindica, ainda sobrariam R$ 7 bilhões à União”. E há ainda o caso de licitação, com dinheiro público, para a contratação de personal trainer para juízes. O cientista ainda citou sobre a queda do Império Romano, o desvirtuamento de algumas funções de integrantes da igreja e a formação dos primeiros estados a partir do século 15, que explica o início do serviço público e o inchaço das máquinas públicas devido à ambição desenfreada de alguns. Junkert também citou dois extremos da América do Sul atual, a Venezuela e o Paraguai.
Durante décadas, a Venezuela foi um país próspero e de boa qualidade de vida. Com a chegada de Hugo Chaves ao poder e com a continuidade de Nicolás Maduro, a esquerda destruiu as bases do país e hoje as pessoas, com exceção dos protegidos pela ditadura, não têm o que comer. Já no Paraguai, onde os empresários reassumiram o poder, o crescimento do PIB chega a dois dígitos por ano. “Cabe às pessoas sensatas do Brasil escolher qual via querem seguir”, alertou Junkert. A esquerda e o PT demonizam os empreendedores, mas 70% deles têm renda de apenas até três salários mínimos por mês. “Devemos nos unir para, com o voto consciente, devolver o Brasil, de fato, aos brasileiros que se importam com ele”, afirmou.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Cidade'

Sindicato e Trabalhadores discutem pauta do ACT 2017/18 no domingo

Assinado acordo entre o município de Toledo e o Sindicato

São Miguel espera público de 2,5 para este domingo

Atividade integrou a programação da Semana Nacional do Trânsito

Assinado convênio para recuperação de estradas rurais

Adorável Companhia apresenta-se na segunda no Circo da Alegria

Ciscopar tem mais de R$ 1,5 milhão parado e deixa equipamentos novos deteriorar

Histórias de empreendedoras paranaenses serão reconhecidas no Prêmio Sebrae Mulher de Negócios

Fomento Paraná presta apoio aos expositores da FEMAI 2017

Taça Mauro Maiorki de futebol sete recomeça neste sábado

Mais Destaques
"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)