AgroGazeta

Safra registra rentabilidade até 50% menor em todas as atividades do agro brasileiro

| 11/08/2017 - 22:00

Um estudo realizado pela Federação de Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul) mostra que a safra de 2016/17 foi de baixa rentabilidade em todos os setores da agropecuária nacional.
O economista-chefe da federação, Antônio da Luz, destaca que, em algumas regiões, essa queda de rentabilidade supera 50%. Desde o ano passado, a Farsul vem realizando uma projeção na qual estes resultados, que já eram aguardados, se mostravam presentes.
A última safra foi plantada com custos e câmbio elevados, com preços internacionais muito baixos no momento da colheita. Depois da operação Carne Fraca e da delação da JBS, os preços do boi gordo também chegaram a menores níveis.
Assim, este pode ser considerado o ano “da safra cheia e do bolso vazio”, como aponta Luz. Há uma safra recorde com altas produtividades para a soja, mas a rentabilidade do produtor não ocorre.
“Para a economia, a superssafra é excelente”, avalia o economista. Entretanto, para o produtor, a rentabilidade não depende do tamanho da safra e, sim, da receita menos o custo. “O produtor rural brasileiro precisa ser um produtor de lucro. Temos que parar de bater as metas dos fornecedores e bater as metas do Governo”, pondera.
Quando o problema é complexo, “raramente tem uma explicação só”, lembra. Mas ele aponta fatores como o câmbio, a produção maior do que a demanda e as dificuldades de escoamento, com fretes caros, como alguns dos principais fatores que influenciam nesta queda. Para Luz, falar em expansão de produção não é uma visão correta enquanto o país não possuir uma infraestrutura que permita uma produção maior.
O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) estimou hoje 107 milhões de toneladas de soja e 95 milhões de toneladas de milho para a próxima safra brasileira. Para Luz, com os preços caindo, é um bom dia para o produtor decidir quais são as metas que ele deseja bater.
Ele lembra que também não é possível “se iludir com questões conjunturais”. Houve um alinhamento de fatores no mundo que fizeram com que o preço do milho alcançasse altos níveis em 2016. Para a soja, por sua vez, os preços estão em queda desde 2015, mas o câmbio em alta havia “criado um véu” sobre as vendas brasileiras, que eram rentáveis mesmo com Chicago em queda.
Luz salienta que, quando a economia brasileira voltar a crescer por volta dos 2% a 3%, o câmbio deve retornar a um patamar abaixo dos R$3,00, em um equilíbrio a longo prazo bem diferente do que é visto hoje.
O economista pede atenção aos produtores para o projeto de reforma tributária que vem sendo desenvolvido pelo deputado federal Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR). “Nós precisamos discutir tributação em cima de custo de produção”, aponta.
Fonte: Notícias Agrícolas
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Máquinas no campo na região da Coamo

Cultivos de soja sendo abandonados na Argentina

Perdas na logística de grãos atingem déficit de mais de 2 bilhões de reais

México volta-se ao milho do Brasil

Biolabore leva curso a São José das Palmeiras

Frota dos Alimentos Coamo com nova plotagem é apresentado

Farelo de soja do Brasil tem preços melhores no mercado internacional

Importações de fertilizantes pelo Brasil caem 25% em janeiro, diz Anda

Com Índia como principal mercado, Paraguai aumentou exportação de óleo de soja em 8,3%

Temer fala em avanços, um dia depois de desistir da reforma da Previdência

Mais Destaques
"ultrapassamos os 13 milhões de acessos no site do Jornal Gazeta de Toledo em 3 anos. Aqui sua propaganda, propaga - 45 9.91339499"
(Leitores)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)