Política

TCE, TJ e TRE vão integrar ações para avaliar as candidaturas em 2018

| 10/08/2017 - 21:30

Os Tribunais de Contas, de Justiça e Eleitoral vão atuar de forma ainda mais integrada na melhoria da prática política e administrativa dos gestores públicos paranaenses. Compromisso neste sentido foi firmado no final da tarde desta quarta-feira (9 de agosto), durante o encerramento do evento Debates sobre a Lei de Improbidade Administrativa, que reuniu, no auditório do TCE-PR, em Curitiba, os três Tribunais.
Ao falar, no encerramento do evento, que foi organizado pela Escola de Gestão Pública do TCE-PR, o presidente da corte de contas, conselheiro Durval Amaral, disse que o encontro deverá se repetir no ano que vem, para que se afinem ainda mais as ações promovidas pelas três instituições.
A palestra do encerramento do debate foi realizada pelo presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PR), desembargador Adalberto Jorge Xisto Pereira, que discorreu sobre o impacto das decisões do Tribunal de Contas do Estado na justiça eleitoral. O desembargador destacou a importância da elaboração dos acórdãos pela corte de contas, no caso de julgamento das contas de gestores públicos, “já que a justiça eleitoral trabalha com a fundamentação contida nestas manifestações para declarar a elegibilidade ou não do candidato às eleições”.
“Se na decisão consta que a conduta foi culposa, não cabe à justiça eleitoral concluir que foi dolosa, ou vice-versa, já que a legislação estabelece que a decisão terá como base a fundamentação do acórdão”, destacou Xisto Pereira. O desembargador lembrou que oito eleições suplementares foram realizadas neste ano, pelo menos três com base em desaprovações de contas pelo TCE-PR.
O desembargador abordou ainda a questão da demora no julgamento das contas dos prefeitos pelas câmaras municipais. Disse que o Tribunal Superior Eleitoral tem considerado que, se houver demora superior a seis meses e o prazo estiver previsto na Lei Orgânica do Município, para efeito do julgamento de registro de candidato prevalecerá a decisão do Tribunal de Contas. Isto é: o contido no parecer prévio emitido pelo órgão.
Ajustes
O conselheiro Durval reafirmou que a Constituição Federal de 1988 deu grande poder aos Tribunais de Contas, “mas que é preciso mais sintonia fina, ajustar os acórdãos para a justiça eleitoral cumprir seu papel de retirar da vida pública os maus gestores”. O presidente do TCE-PR também destacou que a corte vem adotando a diretriz de agir cada vez mais de forma preventiva, fiscalizando em tempo real a execução orçamentária, a fim de prevenir que o dano aos cofres públicos seja gerado, considerando a recuperação como difícil.
Além dos presidentes Durval Amaral e Xisto Pereira, estiveram presentes ao encerramento o coordenador-geral de Fiscalização, Mauro Munhoz, e a diretora-geral do TCE-PR, Célia Arruda; o procurador do Ministério Público de Contas Elizeu Corrêa; e o juíz federal Nicolau Konkel Júnior, diretor-executivo da Escola Judiciária Federal.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Temer prepara carta de defesa a parlamentares e diz acreditar em conspiração para derrubá-lo

PF faz buscas em gabinete de deputado Lúcio Vieira Lima na Câmara

Vídeos de Funaro não atrapalham tramitação de denúncia contra Temer

Senado muda Lei Maria da Penha e organizações pedem que Temer vete a proposta

Exército deve combater crimes cibernéticos nas próximas eleições

Um dia após propina delatada pela JBS, Temer comprou dois terrenos em condomínio de luxo

AGU dá parecer favorável a parlamentares em ação no STF

Quadrilha olímpica

PGR se reúne com integrantes da Lava Jato em Brasília

Lava Jato descobre montante de barras de ouro na Suíça

Mais Destaques

AgroGazeta

Concurso seleciona cafés especiais produzidos por mulheres do Norte Pioneiro

Cidade

Uma avaliação preocupante da Expo Toledo

Cultura

“Curta Toledo” é lançado oficialmente e sorteia temas para os participantes

Artigos

Ausência de grandes empresas na Expo Toledo merece respostas

Regional

Conferência Internacional de Energias Inteligentes começa na quarta-feira (18)

"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)