Economia

IPCA acelera mais que o esperado em julho, mas em 12 meses é o menor desde 1999

| 09/08/2017 - 22:00

A inflação voltou a ganhar impulso em julho, acima do esperado e puxada pelos preços maiores de energia elétrica e dos combustíveis, mas ainda dando conforto para que o Banco Central continue no seu caminho de redução dos juros básicos.
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,24 por cento em julho, após mostrar deflação de 0,23 por cento em junho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ontem, quarta-feira.
No acumulado de 12 meses, o IPCA subiu 2,71 por cento, nível mais baixo desde fevereiro de 1999 (2,24 por cento) e permanecendo abaixo do piso da meta oficial de inflação, de 4,5 por cento, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.
O número de julho veio acima das expectativas dos analistas consultados pela Reuters, de alta de 0,19 por cento no mês e de 2,66 por cento em 12 meses.
“O IPCA está muito ao sabor da energia e das bandeiras tarifárias nos últimos 2 meses. É preciso esperar o fim desse movimento, para cima ou para baixo, para filtrar o real patamar da inflação”, disse o gerente de Índice de Preços do IBGE, Fernando Gonçalves.
Segundo o IBGE, o maior impacto individual sobre o IPCA veio da energia elétrica, que subiu 6 por cento após a entrada em vigor da bandeira tarifária amarela em julho, levando o grupo Habitação a registrar alta de 1,64 por cento em julho, depois de registrar deflação de 0,77 por cento no mês anterior.
Essa pressão deve permanecer em agosto, quando valerá a bandeira vermelha. Além disso, o efeito do aumento do PIS/Cofins sobre preços de combustíveis, anunciado em meados de julho, não deve desaparecer no curto prazo.
E foi isso que afetou o grupo Transporte em julho, com alta mensal de 0,34 por cento no mês passado, depois de cair 0,2 por cento em junho. Segundo o IBGE, o litro do etanol ficou, em média, 0,73 por cento mais caro, enquanto a gasolina subiu 1,06 o cento.
Já o grupo alimentação e bebidas, que corresponde por 25 por cento do índice, apresentou deflação pelo terceiro mês e recuou 0,47 por cento.
O fato de os preços livres continuarem em queda neste mês, influenciados pela recuperação econômica mais lenta que a esperada, é um fator importante para que o BC corte a Selic, que já foi reduzida em 5 pontos percentuais desde outubro do ano passado, aos atuais 9,25 por cento.
Fonte: Reuters
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

Indicador de emprego da FGV chega a 103,9 pontos

Crescimento nos próximos anos será mais equilibrado entre setores, diz ministro

54% dos consumidores querem reduzir os gastos em dezembro

Empresas podem optar até 20 de dezembro pela antecipação do eSocial

Mudar transporte contra aquecimento global requer apoio, dizem especialistas

Natal: 11% dos pais que pretendem presentear irão atrasar contas

Assembleia aprova projeto que pode aumentar impostos empresas

Leniência fechada pelo MPF deve garantir R$ 24 bi aos cofres públicos

Após fraco resultado, setor de transporte mantém otimismo cauteloso para 2018

Mais Destaques
"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)