Economia

IPCA acelera mais que o esperado em julho, mas em 12 meses é o menor desde 1999

| 09/08/2017 - 22:00

A inflação voltou a ganhar impulso em julho, acima do esperado e puxada pelos preços maiores de energia elétrica e dos combustíveis, mas ainda dando conforto para que o Banco Central continue no seu caminho de redução dos juros básicos.
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,24 por cento em julho, após mostrar deflação de 0,23 por cento em junho, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) ontem, quarta-feira.
No acumulado de 12 meses, o IPCA subiu 2,71 por cento, nível mais baixo desde fevereiro de 1999 (2,24 por cento) e permanecendo abaixo do piso da meta oficial de inflação, de 4,5 por cento, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.
O número de julho veio acima das expectativas dos analistas consultados pela Reuters, de alta de 0,19 por cento no mês e de 2,66 por cento em 12 meses.
“O IPCA está muito ao sabor da energia e das bandeiras tarifárias nos últimos 2 meses. É preciso esperar o fim desse movimento, para cima ou para baixo, para filtrar o real patamar da inflação”, disse o gerente de Índice de Preços do IBGE, Fernando Gonçalves.
Segundo o IBGE, o maior impacto individual sobre o IPCA veio da energia elétrica, que subiu 6 por cento após a entrada em vigor da bandeira tarifária amarela em julho, levando o grupo Habitação a registrar alta de 1,64 por cento em julho, depois de registrar deflação de 0,77 por cento no mês anterior.
Essa pressão deve permanecer em agosto, quando valerá a bandeira vermelha. Além disso, o efeito do aumento do PIS/Cofins sobre preços de combustíveis, anunciado em meados de julho, não deve desaparecer no curto prazo.
E foi isso que afetou o grupo Transporte em julho, com alta mensal de 0,34 por cento no mês passado, depois de cair 0,2 por cento em junho. Segundo o IBGE, o litro do etanol ficou, em média, 0,73 por cento mais caro, enquanto a gasolina subiu 1,06 o cento.
Já o grupo alimentação e bebidas, que corresponde por 25 por cento do índice, apresentou deflação pelo terceiro mês e recuou 0,47 por cento.
O fato de os preços livres continuarem em queda neste mês, influenciados pela recuperação econômica mais lenta que a esperada, é um fator importante para que o BC corte a Selic, que já foi reduzida em 5 pontos percentuais desde outubro do ano passado, aos atuais 9,25 por cento.
Fonte: Reuters
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

PIB cai 0,24% no segundo trimestre, diz pesquisa da FGV

Ministro diz que são falsas notícias de que salário mínimo será reduzido

Portal do Empreendedor recebe melhorias para simplificar atendimento

Petrobras eleva preços de diesel e gasolina a partir de hoje

CGU encontra problemas graves em imóveis do Minha Casa, Minha Vida no Paraná

Cade investiga fabricantes de filtros automotivos

Déficit previdenciário dos estados cresceu 10% em 2016

Revisão de meta do déficit fiscal pode prejudicar retomada do crescimento

Previsão de salário mínimo para 2018 cai para R$ 969

Governo trabalha no limite do Orçamento

Mais Destaques

Cidade

Alunos e familiares do Florir Toledo aprendem decoupage

Cultura

Empreendedores culturais recebem atenção dos governos estadual e federal

Esporte

Atletas da Sadia participam de treino controle na Bulgária para o Mundial de Pesaro

Geral

Acit estágios e currículos integra evento Pig Data 2017

"O número de acidentes no trânsito de Toledo cresceu 28,5%, no comparativo entre janeiro deste ano e o mesmo período do ano passado, de acordo com dados pela PM (ver gráficos). Toledo está na contra-mão do estado que, reduziu em 23% os números nos mes"
(Redação)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)