Política

10 deputados do Paraná são suspeitos de “farra das passagens”

| 09/08/2017 - 20:30

A Procuradoria da República no Distrito Federal ratificou 28 ações penais contra 72 ex-deputados federais acusados de peculato pelo suposto uso verbas da Câmara dos Deputados, destinada à cota de passagens aéreas, para interesses particulares, como o transporte de parentes e centenas de viagens de turismo no Brasil e no exterior.
Em novembro do ano passado, a procuradoria apresentou 52 denúncias com 443 ex-deputados, mas ao analisar o caso novamente, percebeu que houve prescrição da pretensão punitiva, além do desmembramento das investigações policias sobre o caso. A investigações continuam contra 52 ex-parlamentares.
As denúncias, encaminhadas à Justiça, dizem respeito a bilhetes emitidos entre 2007 e 2009, quando foi revelado pelo site Congresso em Foco a utilização indevida da verba para passagens aéreas por parlamentares no escândalo que ficou conhecido como “farra das passagens”. A PGR decidiu apurar o suposto envolvimento de 199 políticos com ‘farra das passagens’, entre eles estão 11 deputados do Paraná: Alex Canziani Silveira, Assis Miguel do Couto, Dilceu João Sperafico, Fernando Lúcio Giacobo, Hermes Parcianello, Hidekazu Takayama, Jacob Alfredo Stoffels Kaefer, Luiz Carlos Jorge Hauly, Nelson Meurer, Osmar José Serraglio, Ricardo José Magalhães Barros, Ministro de Estado da saúde.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Política'

Fachin nega pedido de liberdade e mantém Aldemir Bendine preso

Governo publica edital para formação de agentes comunitários em enfermagem

Intervenção é correta, diz base aliada; oposição classifica de cortina de fumaça

Obras da BR-163 vão alterar trânsito nos trevos de acessos

Comissões de trabalho apresentam atrações para feira Shopping 2018

Debate sobre reforma da Previdência na Câmara começa na terça-feira

Subsecretário diz que perdão de dívidas favorece sonegação fiscal

Denúncia eleitoral contra Cristiane Brasil parou em 2010

Dep. da Rede vai pedir convocação de Segovia para explicar declarações sobre Temer

Candidatos poderão usar seu próprio dinheiro nas campanhas

Mais Destaques
"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)