AgroGazeta

Pecuarista não tem alternativa de venda a JBS e amargam prejuízos

| 19/05/2017 - 21:30

Pecuarista não tem alternativa de venda a JBS e amargam prejuízos

Realizando somente compras no prazo com 30 dias e sendo a única unidade de abate em muitas regiões do país, pecuaristas estão sem alternativa de venda a JBS e amargam prejuízos.
“Em grande parte dos estados ainda há capacidade de suporte por mais 30 a 40 dias. O problema é que temos os custos fixos e precisamos vender”, lamenta o pecuarista, Marcos da Rosa, que possui propriedade na região do Alto Araguaia (MT).
“Com o que se vende hoje não é possível, se quer, fazer a reposição. O produtor usa parte do valor para saldar suas dívidas, e não repõe 100% do rebanho mesmo com a cotação do boi magro e bezerro caindo”, acrescenta Rosa.
No início da semana, os pecuaristas estavam pedindo antecipação dos pagamento a prazo, temerosos pela saúde financeira da JBS, envolvida em uma série de escândalos de corrupção. Já na quarta (17), a empresa informou a seus fornecedores a suspensão da compra de novos lotes à vista, obrigando os produtores solicitarem a antecipação do recebimento junto ao Banco Original [também pertencente à Companhia J&F, dona da JBS] mediante a cobrança da Nota Promissória Rural (NPR), no valor de 3,1% ao mês.
Embora as pastagens ainda permitam a manutenção do gado na fazenda com custo menor, muitos produtores já operavam no vermelho desde a operação Carne Fraca, em abril. O preço do boi gordo chegou recuar mais de 10%, recuperando parte das perdas de lá para cá, mas ainda abaixo do praticado no início do ano.
O problema é que além dos preços defasados do boi gordo, a recente volta da cobrança do Funrural (Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural), e o desconto do NPR [caso queiram evitar o risco de receber no prazo], o setor se depara com a falta de opção de venda. No Mato Grosso, estado com maior rebanho, ao menos quatro regiões são dependentes das operações da JBS.
“Temos duas realidades hoje: uma dos produtores com propriedades localizadas em região de atuação exclusiva da JBS”, portanto, sem alternativa de abate além de receber a prazo, ou ter o desconto de 3,1%. E a outra, daqueles que “tem mais abatedouros nas mediações, porém que também não conseguem vender por falta de demanda”, explica Rosa.
Os meses de maio e junho são tipicamente conhecidos como ‘fundo de safra’, onde a aproximação com o inverno danifica as pastagens e ocorre a desova de animais. Por esse fator de maior oferta, e também porque a demanda caminha a passos lentos, as indústrias frigoríficas não tem interesse de absorver a demanda excedente dos que não querem vender para a JBS. A ordem nesse momento é evitar a formação de estoques e o derretimento nos preços da carne.
O pecuarista, portanto, se vê no olho do furacão. Temendo que a detentora de 1/4 da demanda nacional de abates tenha sua funcionalidade afetada pelas investigações, ao passo que também precisam entregar seus animais em valores pouco remuneradores, pela necessidade de liquidar os custos fixos.
A empresa
Apesar de toda preocupação em torno da JBS e seus riscos para economia brasileira, sobretudo a pecuária, muitos analistas tem se mostrado otimista frente à sobrevivência da empresa. Na visão do pesquisador do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), Sérgio De Zen, embora as essas notícias depreciem o valor da Companhia, é possível separar neste momento as ações enquanto empresa, das atitudes isoladas dos irmãos Batista.
Nesta sexta (19) um conteúdo divulgado pelo jornal Folha de S.Paulo, informou que analistas e executivos de bancos com conhecimento dos números da JBS “vêem como baixo o risco de a companhia deixar de honrar pagamentos a seus credores no curto prazo.”
A JBS contaria com descolamento entre a imagem do conglomerado e de suas marcas no exterior, de onde vem sua maior fonte de renda, para blindar a operação e evitar queda nas receitas. Nos EUA é dona, por exemplo, da Pilgrim’s Pride, da Swift e agora da Plumrose.
No Brasil, o analista da MBAgro, César de Castro Alves, diz acreditar ser improvável que o setor de proteína animal passe a operar sem a JBS.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'AgroGazeta'

Farelo de soja do Brasil tem preços melhores no mercado internacional

Importações de fertilizantes pelo Brasil caem 25% em janeiro, diz Anda

Com Índia como principal mercado, Paraguai aumentou exportação de óleo de soja em 8,3%

Temer fala em avanços, um dia depois de desistir da reforma da Previdência

Sicredi bate recordes no Show Rural Coopavel 2018

Coamo tem receita global de R$ 11,07 Bi e distribui R$318 mi em sobras aos seus mais de 28 mil assoc

Chuva pode afetar colheita da soja na maior parte do Brasil

Plataforma otimiza uso de recursos hídricos em bacias hidrográficas

Demanda interna fraca e queda nas exportações de carne suína

Produtores de milho estão com um olho no silo e outro na safrinha

Mais Destaques

Cultura

AMOP lança projeto cultural para 54 cidades da região

Regional

Projeto-piloto da Caciopar dá novo impulso a SPCs de cidades do Oeste

Variedades e Gente

Ação Social promove Almoço Italiano

Política

Brasil cai 17 posições em ranking global de corrupção

Cidade

Núcleo de Gastronomia se prepara para renovar selo de qualidade

Economia

Mais de mil contribuintes que aderiram ao Novo Refis estão irregulares

Geral

Cresce abertura de novas empresas no Brasil

Gente X Poder

Teto baixo ou teto ALTO?

"Dirigiu bêbado e foi pego, ANOTE AI: é crime sem fiança! A pena mínima é de CINCO ANOS de reclusão, perde a careteira de motorista definitivamente e essa pena NÃO se pode converter mais em prestação de serviços, ou seja, vai ficar PRESO! "
(Governo Federal)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)