Artigos

A guerra dos mundos

| 14/04/2017 - 00:01

A balança comercial não é o assunto mais importante na conversa entre
A linguagem corporal é o que há de mais revelador na comunicação humana. Antes do ataque à Síria, pelos olhos entreabertos do presidente dos EUA, Donald Trump, e os geneticamente puxados do líder chinês, Xi Jinping, acontece a batalha mais importante do momento. A batalha já não é ideológica. Nem racial. Já não é sobre as armas. Agora, ela consiste no domínio tecnológico e nas regras que devem se impor no jogo.
A última reunião entre os presidentes em Mar-a-Lago, a luxuosa cada de Trump na Florida, com seus campos de golfe e incluindo os gastos que significam uma viagem da Casa Branca até Palm Beach, não disfarçou nem ocultou a verdade do diálogo profundo entre os dois líderes, que envolveu desde o déficit comercial e a futura relação entre os dois países até o programa nuclear norte-coreano.
Não é preciso ser um gênio para compreender que Trump, um especialista na arte de fazer as coisas pela metade, quer fazer com a China o mesmo que fez com os bancos que cometeram o erro de emprestar dinheiro a ele: dar a menor contrapartida possível. O Governo chinês é o maior credor da dívida pública dos Estados Unidos. Por isso, se o império do Norte quebra, o gigante asiático, também.
Neste contexto, Trump, que é um homem à moda antiga, movido pelo instinto e não pelo conhecimento, ainda não entendeu que o poder moderno não se baseia apenas na força e no dinheiro, mas sim no controle do software. A China já deu seu grande passo à frente, já não é mais um país de escravo, deixou de ser um país de fábricas para ser um país de inteligência. E usou o dinheiro que ganhou para uma coisa boa - criar no Ocidente grandes necessidades de consumo - e uma ruim, imitar sua enorme capacidade de corrupção para ajudá-lo a corromper-se mais e melhor.
Deng Xiaoping escapou da grande matança da Revolução Cultural quando desenvolveu um plano perfeito para fazer da República Popular da China a primeira potência que balançaria o mundo. Ele teve o cuidado de estudar as melhores práticas do Ocidente e, além disso, pôde ver como o mundo ocidental se prostituía e a como a luxúria e a cobiça sem limites influenciavam os auditores para roubar dos incautos acionistas. Aprendeu a parte boa e a ruim do capitalismo. A China tem um problema estrutural, não é uma democracia, mas transformou-se no maior calcanhar de Aquiles do império do Norte.
A terceira ponta da discórdia, Vladimir Putin, conseguiu por meio de seus hackers e da tecnologia colocar em apuros a máquina política estadunidense. Nesse caso, há um grande problema e uma grande vantagem. A questão é que o poderio tecnológico chinês não está nas mãos de representantes do mundo livre, porque está a serviço do Governo.
Enquanto isso, nos EUA quem controla o mundo moderno, como os Zuckerberg e os Gates, tomam conta da própria vida, e o fato de trabalharem usando tênis e de não terem se enveredado pela política acabou originando grandes fortunas sem um projeto social ou político, dando origem a um mercado em que é possível hackear e destruir, não apenas impondo quem será o presidente dos Estados Unidos, mas também controlando todo seu software.
Com certeza, nos séculos XVIII, XIX e XX a democracia era um sistema melhor e mais estável. Mas agora, no século XXI, em que Star wars começa a parecer um conto dos irmãos Grimm, o controle do Estado sobre o poder tecnológico é a única garantia de estabilidade do sistema. E, atualmente, o Ocidente tem uma desvantagem contra o Oriente porque tanto a China com sua estrutura, quanto a Rússia com sua ambição, dominam todos os centros de poder tecnológicos, enquanto os Estados Unidos dominam apenas a parte competitiva do mercado, podendo ser anulado, prostituído e vencido pelas deficiências de sua estrutura estatal.
A balança comercial não é o assunto mais importante na conversa entre Xi Jinping e Donald Trump. O importante é compreender e aceitar por que o século XX chegou viajando pelo Atlântico e o XXI está indo pelo Pacífico.
ANTONIO NAVALÓN
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Artigos'

“Ó Senhor, vós sois bom e clemente, sois perdão para quem vos invoca” (Sl 85)

Sob Lula, os pobres e negros tiveram um lampejo de esperança, desfeita pelo golpe e pelo próprio PT

Podem as urnas absolver Lula?

O cuidado com usuários de álcool e outras drogas

Unificação de dados: prevenção de doenças e redução de custos

A morte de Deus e o retorno da moral

Brasil, o país em que os juízes tomaram o poder

Martinho Lutero e a Theotókos: Mãe de Deus

Da Carne Fraca ao contrabando legislativo

Jesus, semente de vida eterna, veio habitar entre nós

Mais Destaques

Cidade

Arraiá solidário

Moda

Dicas sobre microagulhamento

"O número de acidentes no trânsito de Toledo cresceu 28,5%, no comparativo entre janeiro deste ano e o mesmo período do ano passado, de acordo com dados pela PM (ver gráficos). Toledo está na contra-mão do estado que, reduziu em 23% os números nos mes"
(Redação)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)