Editorial

Orçamento participativo é patrimônio do povo de Toledo.

| 22/02/2017 - 00:01

Lucio e Tita precisam respeitar a decisão das comunidades.
Confesso que fiquei estarrecido quando chegou a mim por inúmeras lideranças comunitárias, a informação de que a administração Lucio e Tita estava negando em cumprir os compromissos dos anos anteriores do Orçamento Participativo. Além de estarrecido, procurei entender as razões disso , e buscar formas de convencimento para que o prefeito revisse sua posição, até porque ela atinge e prejudica diversas comunidades da cidade e do interior.
Como justificativa, passaram a informar as comunidades que não ficaram recursos para a realização das reivindicações na ordem 4 milhões de reais, o que não é verdade. Taticamente escondiam que ficou no caixa perto de 2.6 milhões em recursos livres para este fim, além de mais de 6 milhões de sobras do ICMS repassados logo no início de 2017, e que poderia ter sido repassado no final de 2016, justamente quando houve uma diminuição de recursos estadual e nacional de mais de 7 milhões. Outra coisa que precisa ficar claro é que os recursos do Orçamento Participativo não são carimbados, ou seja, o gestor é obrigado por lei executar dentro do ano vigente, porque tem alguns fatores que impedem isso como: a decisão das comunidades em juntar recursos para uma ação maior; a dificuldade da parte técnica da prefeitura na elaboração de todos os projetos, licitação e realização da obra, e o fato de 2016 ser ano eleitoral que impedia diversos investimentos. Ou seja, não tinha como não ficar pendências e as comunidades estavam cientes disso. Após todos estes esclarecimentos, em entrevista no último sábado (11) na Rádio Integração os secretários Alceu Sal Bosco e Adriano Galvão sinalizaram no sentido de cumprir todas as reivindicações, o que achamos uma decisão acertada do atual gestor.
Certamente perceberam que o Orçamento Participativo é uma espécie de compartilhamento de poder, onde o gestor retira um valor do orçamento e libera para que as comunidades decidam livremente a sua destinação, ficando ele gestor a função exclusiva de executar. Negar isso é uma afronta imperdoável a milhares de pessoas que participaram das reuniões mesmo em dias de chuva e frio, escolheram seus pedidos e esperam ansiosamente por sua efetivação.
Até é possível que o Orçamento Participativo necessite de ajustes, mas também é inegável o avanço que ele significou em relação ao antigo Orçamento do Povo da gestão Schiavinato e Lúcio, que além de contar com um valor baixo, era realizado de forma atropelada e as comunidades basicamente eram convidadas apenas para o ato de assinar as listas de presenças.
Ja o Orçamento Participativo da gestão Beto e Pelanka veio para se tornar uma política pública de democratização do poder de forma definitiva. Em vez de 33 reuniões em 2012 apenas nas comunidades maiores, com o Orçamento Participativo passaram a ser 75 reuniões anuais nas comunidades grandes e pequenas com uma prestação de contas detalhada de tudo que era adquirido - centavo por centavo. Nos 4 anos mais de 25 mil pessoas participaram das reuniões. E não foi só a quantidade de reuniões que aumentaram, os recursos também, eles foram triplicados, saltando de 2 milhões em 2012 para quase 6 milhões em 2017. Com isso, os delegados e delegadas tiveram mais poder e decidiram investimentos que fizeram a diferença em escolas, Cmeis, UBS, Ginásios, Associações, clubes, campos de futebol, asfalto etc. Resumindo de 2013 pra cá, os delegados do Orçamento Participativo da gestão Beto e Pelanka decidiram mais de 15 milhões de reais em investimentos em todo município. Um avanço espetacular que precisa ter continuidade com a atual gestão, pois trouxeram benefícios enormes pra população.
Além de cumprir todas as demandas do OP, a administração atual precisa continuar ouvindo, discutindo, aprimorando e valorizando a participação popular, através da política do aumento constante dos recursos para que mais ações sejam realizadas, com objetivo único de atender a população.
Valtair Caetano Apolinário formado em Secretarado Executivo com Especializacao em Pedagogia Social.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Editorial'

ATERRO SANITÁRIO

Mais Destaques

Política

Gasolina pode subir até 0,41 centavos por litro

Cultura

Maior Caminhada na Natureza do Brasil tem 4,8 mil participantes

Moda

Thais Pontes

AgroGazeta

Veterinários recebem treinamento sobre alimentação de bovinos

Esporte

Assis Chateaubriand encerra regional com saldo positivo

Geral

Humanidade já gerou 8,3 bilhões de toneladas de plástico

Gente X Poder

Toledo atinge 95% do limite prudencial

Cidade

Mulheres empresárias e executivas fazem visita técnica

"O número de acidentes no trânsito de Toledo cresceu 28,5%, no comparativo entre janeiro deste ano e o mesmo período do ano passado, de acordo com dados pela PM (ver gráficos). Toledo está na contra-mão do estado que, reduziu em 23% os números nos mes"
(Redação)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)