Economia

Diretor do BC diz que já é possível sentir “certo alívio” na inflação

| 23/12/2016 - 00:01

Diretor do BC diz que já é possível sentir “certo alívio” na inflação

O diretor de Política Econômica do Banco Central (BC), Carlos Viana, considera que a população já sente a redução da inflação no dia a dia, principalmente, nos preços de alimentos. Para ele, já é possível sentir “certo alívio”, com aumento do poder de compra dos trabalhadores. Viana apresentou ontem (22), em Brasília, o Relatório de Inflação do quarto trimestre do ano.
No documento, o BC projeta o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 6,5%, no limite da meta de inflação para 2016. A nova estimativa está 0,1 ponto percentual abaixo da divulgada em setembro (6,6%).
A meta de inflação tem como centro 4,5% e limite superior de 6,5% neste ano. Para 2017, o teto é 6%, mas a projeção do BC indica inflação no centro da meta (4,5%). A estimativa para 2017 é 4,4%. Em 2018, a expectativa é de inflação ainda mais baixa: 3,6%.
Viana disse que o BC foi surpreendido positivamente com as taxas de inflação. “Claramente passamos a ter um comportamento mais favorável da inflação de alimentos. Mas a melhora recente vai um pouco além dos alimentos. Temos um processo de desinflação um pouco mais difundido”, afirmou.
O diretor do Banco Central acrescentou que as projeções divulgadas ontem pelo BC não contemplam a prévia do IPCA divulgada quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O IPCA-15 fechou o ano com taxa de 6,58%, inferior aos 10,71% do ano e está próxima do teto da meta de inflação.
Viana disse, também, que o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, responsável por definir a taxa básica de juros, vai analisar o resultado “com toda calma” para tomar sua decisão nos dias 10 e 11 de janeiro de 2017.
“O indicador vai se incorporado ao conjunto de informações que o Copom considera nas suas reuniões. Sinto muito jogar um balde de água fria, mas não tenho nada a dizer sobre o IPCA-15”, acrescentou.
Diante da recessão econômica e da melhora na inflação, o Banco Central tem sinalizado que pode intensificar o corte da taxa básica de juros, a Selic. Nas suas duas últimas decisões, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC cortou a Selic em 0,25 ponto percentual. Atualmente, a taxa está em 13,75% ao ano.
Para as instituições financeiras, a Selic encerrará 2017 em 10,50% ao ano. A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.
Já quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.
Reformas
O diretor do Banco Central, Carlos Viana, disse ainda que as reformas estruturais das contas públicas são relevantes e consideradas nas projeções do BC. Ele citou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita os gastos públicos e a reforma da Previdência como questões de “primeira ordem”.
Para Viana, a reforma da previdência deve tramitar no Congresso Nacional de forma mais lenta do que a PEC do Teto dos Gastos Públicos porque envolve maior debate com a sociedade. “A PEC dos Gastos tramitou mais rapidamente e passou de maneira mais integral”, disse.
    SEJA o primeiro a comentar
  • Nome

    E-mail

    Escreva um comentário

Notícias de 'Economia'

Transporte aéreo de passageiros teve aumento em outubro, diz Anac

Banco Mundial sugere mais impostos para ricos no Brasil

Balança tem superávit de US$ 700 mi na terceira semana de novembro

Relator eleva alta do PIB para 2,5% em Orçamento de 2018

Prazo para renovação de contratos do Fies é prorrogado para 30 de novembro

Cartão de loja é o tipo de crédito que mais leva à inadimplência

Inflação pelo Índice Geral de Preços cai de 0,49% para 0,24%

Petrobras reduz hoje preços da gasolina e diesel nas refinarias

Temer e empresários debatem programa automotivo Rota 2030

Projetos inovadores correspondem a 50% dos ativos registrados no PTV

Mais Destaques

Cidade

Última coleta analisa a situação sanitária dos animais silvestres de Toledo

"Poder-É a capacidade de arbitrariamente, agir e mandar, exercer a autoridade, a soberania, o império dos grupos que se formam visando o poder, o monopólio. Quanto maior a dependência de A em relação a B, maior o poder de B em relação A. Desconhecido"
(Desconhecido)
Enquete
Tempo Toledo
Cotações
Compra Venda
Dólar comer.
Euro (real)